Ucrânia: Novas batalhas

18/02/2015 12:49

 

Franz Ickstatt, Neue Internationale 196, fevereiro 2015 Fri, 2015/06/02 - 11:09

 

Nunca houve um cessar-fogo real. Uma vez ou outra, o exército de Kiev, ou seus aliados fascistas atacaram com artilharia, mísseis e aviões, principalmente contra a população civil. Obviamente Poroshenko está esperando para desmoralizar essas pessoas, já atingidas pelo inverno e pela fome, ao bombardear hospitais e infraestrutura técnica.

A grande mídia alemã conseguiu atribuir aqueles ataques aos "separatistas" ou alegaram que houve alguma "incerteza sobre os agressores". No entanto, a lógica mais elementar de qualquer conflito militar, que é você não bombardear o seu próprio lado, especialmente quando há um cessar-fogo oficial e as linhas de frente são muito claras, fala contra esta propaganda estúpida. Até mesmo o ataque de foguete em um ônibus em Donetsk, uma cidade dominada pelos "separatistas", foi atribuído a eles.

Ataque e contra-ataque

No início do ano, Poroshenko foi para a ofensiva com um ataque aberto no aeroporto de Donetsk e o anúncio de recrutamento de 50.000 conscritos. Como este artigo foi para a imprensa, o ataque ao aeroporto falhou e, em alguns lugares, os batalhões de "repúblicas populares" avançaram. Suas lideranças militares e civis têm denunciado a farsa do Acordo de Minsk. Os imperialistas ocidentais e seus cães de guarda novamente acusam Putin de estar por trás disso. Mas é esse o caso?

A posição de Putin é atualmente difícil de avaliar. Nos últimos meses, a influência da Rússia tem sido direcionada para garantir maior controle sobre as estruturas do Leste. São principalmente as pessoas do antigo regime de Yanukovych, que ainda mantêm os seus postos de trabalho, que seguem as diretrizes do Kremlin. Até as eleições de novembro pouco mudou. (Veja também NI 149 Entrevista com um camarada de Borotba). Para manter isto, o Partido Comunista foi impedido de se apresentar às eleições em Donetsk, bem como vários comandantes populares.

Putin e as "repúblicas populares"

O que só pode desagradar a Bonaparte no Kremlin são as crescentes tendências de esquerda no Oriente. Uma vez que a economia entrou em colapso, em grande parte porque as tropas de Kiev tinham bombardeado muitas fábricas e minas, não houve bens para exportar e o estado e oligarcas cessaram os pagamentos de salários, mesmo aqueles trabalhadores que, inicialmente, não achavam que era necessário se moverem, ou foram contidas pela enxurrada de propaganda russa ou Pan-eslavo, foram forçados a isso. Muitos fugiram para a Ucrânia Ocidental, outros mais para a Rússia. Os que permanecem, lutam. Unidades, tais como os "Cossacos Vermelhos", foram formadas pelos trabalhadores, especialmente os mineiros. Eles, assim como outros, lutam sob bandeiras vermelhas ou sob a estrela soviética.

Politicamente, há também a questão de o que fazer com as fábricas e minas que foram abandonadas ou bombardeadas pelo governo Kiev ou pelos oligarcas. A ala direita, que são as pessoas do antigo regime de Yanukowych, nacionalistas russos e agentes de Putin, quer trazê-las sob o controle de oligarcas russos. Os trabalhadores parecem ter outros planos. Mesmo o "movimento Independente de Novorossiya" uma associação populista pequeno-burguesa, expressa isso em sua declaração programática, "propriedade em grande escala, os ativos industriais e financeiros são de propriedade do Estado. O Conselho Nacional é composto por delegados de conselhos e coletivos nacionais e de trabalhadores e deve ser o mais alto órgão legislativo em Novorossiya". Uma concessão óbvia para os trabalhadores.

Duas coisas desagradaram Putin; uma é o desenvolvimento e fortalecimento da Esquerda mas a segunda é a ilusão de nacionalistas russos que ele, Putin, irá anexar o Donbass como fez o Crimea. Uma vez que Putin não tem a intenção de viver de acordo com essas expectativas, a ala direita da resistência tende para ações arbitrárias, que os imperialistas ocidentais são mais do que felizes em usar fazer pressão sobre Putin. Desde que ele foi capaz de usar a ofensiva Agosto pelos rebeldes para forçar Poroshenko para a mesa de negociações de Minsk, podemos supor que é bem possível que as tropas rebeldes atacaram Mariupol para impedi-lo de sacrificar repúblicas populares na mesa de negociação internacional.

Conflitos no Oriente

Os conflitos internos das "repúblicas populares" as têm aumentado em nitidez. Uma fonte constante de conflitos é a distribuição de artigos de socorro: quem controla isto; pró-russos, pessoas do antigo regime de Yanukowych ou as forças de combate? Esta questão é muitas vezes colocada pelos elementos mais progressistas. Algumas delas chamam para comitê da população. Nas últimas semanas, vários comandantes dos "Cossacos Vermelhos" atacaram Plotnitski, o chefe de Estado da República Popular de Lugansk, porque ele estava fazendo muito pouco pela população e surrupiando demais para si mesmo. Ele, por sua vez, acusou Alexander Bednov, o defensor popular da cidade nas batalhas agosto, de peculato e tortura de civis. Isso aconteceu após Bednov e alguns de seus homens serem liquidados em circunstâncias não explicadas por (supostamente) Forças especiais russas.

A prisão e detenção de quatro membros do Borotba é igualmente um testamento para o agravamento do conflito no Oriente. No entanto, a sua libertação, após 10 dias, também mostra o peso das forças restantes.

Estes conflitos mostram como estavam errados todos aqueles que menosprezaram o movimento político no Oriente, ou a explicação deles, insistindo que os combatentes antifascistas eram invasores russos que se opunham à população local.

A história permanece a história das lutas de classes, mesmo se eles são obscurecidos pela forma de guerra civil. Ou, como Trotsky uma vez deixou claro, "O sectário simplesmente ignora o fato de que a luta nacional, como uma das mais confusas e mais caótica, mas, ao mesmo tempo, formas extremamente importantes da luta de classes, não pode ser decidida apenas como referência para a futura revolução mundial ".

Agora, como os embates entre esquerda e direita, entre a classe operária, os nacionalistas russos e os interesses do imperialismo russo estão ficando mais claros no Oriente, é chegada a hora para todos os esquerdistas, que anteriormente assumiram uma posição neutra, a repensar a sua passividade.

Retorno da luta de classes?

Mesmo no oeste da Ucrânia há conflitos crescentes. No final do ano passado, houve greves dos trabalhadores do bonde em Kiev e trabalhadores da refinaria em Odessa. Em um dos casos foi por salários atrasados, no outro, o multibilionário Kolomoisky queria comprar a refinaria a baixo custo.

Na fábrica de aço de Kremenchug, que também pertence ao Kolomoisky, milhares de trabalhadores protestaram contra a demissão de 2.500 trabalhadores. Em janeiro, houve uma greve em massa para o pagamento de salários atrasados ​​ dos trabalhadores na Yuzhmash em Dnepropetrovsk.

Estas são boas oportunidades para os comunistas não apenas para apoiar a classe trabalhadora na Ucrânia Ocidental, mas também para avisá-los de que uma vitória na guerra civil do governo de Kiev, oligarca e ultranacionalista, teria consequências desastrosas para eles, bem como para os trabalhadores da Oriente.

O processo de reorganização da classe deve também ser desenvolvido no Oriente. O movimento espontâneo da classe é politicamente tão subdesenvolvido como no Ocidente. Clarificação política e propaganda revolucionária também são necessárias lá. Sem isso, no entanto, a consciência política da classe, que é atualmente expressão de uma identificação vaga de "esquerda" com a extinta União Soviética ou com a luta antifascista, não será capaz de atender às demandas da luta.

Uma coisa é ocupar fábricas abandonadas na Guerra Civil, mas outra coisa então defendê-los politicamente. Isso significa transformar os conselhos e as milícias dos trabalhadores contra os parlamentos burgueses e os governos, seja em Donbass ou em toda a Ucrânia, para marchar para a revolução.

Borotba e o programa revolucionário

Embora seja correto formar uma frente unida militar com os nacionalistas russos contra o regime de Kiev, que é responsável não só por ataques sociais devastadores, mas também pela opressão nacionalista do Oriente, também seria errado se limitar a isso. Estabelecer conexões com a classe no oeste do país, só é possível se as questões sociais são abordadas bem como as organizações de classe independentes são necessárias, não apenas bandeiras soviéticas.

No momento, a única organização em toda a Ucrânia, que seria capaz de desenvolver um programa revolucionário para toda a classe contra os oligarcas e os nacionalistas, é o Borotba. Qualquer pessoa que está do lado errado na guerra civil, e ainda suporta as operações militares do regime Kiev, como a "Oposição de Esquerda", também em última análise, só servem à contrarrevolução em outras partes da luta de classes.

No entanto, até agora, o Borotba não apresentou um programa desse tipo. Embora tenha formado corretamente a aliança militar necessária com os nacionalistas no Oriente, ele se recusou a fazer toda a crítica política necessária - um erro cometido por muitos centristas. Isto é comparável a vários grupos na Alemanha, que, com razão, apoiaram os combatentes em Kobane, mas não conseguem criticar as políticas das organizações sucessoras do PKK que substituíram o antigo nacionalismo estalinista com uma mistura crua de socialdemocracia, o libertário pós-modernismo e o feminismo burguês.

Assim como isto não faz tais grupos centristas libertários por si mesmos, assim também o Borotba não é "nacionalista russo", como alguns afirmam. No entanto, num momento em que a classe trabalhadora na Ucrânia está a reorganizar-se e afirmar-se de forma mais clara, uma vez que sacode a passividade dos últimos 20 anos, uma orientação programática clara é necessária para aproveitar estes progressos e para evitar que eles sejam exterminados sob a ameaça imediata da guerra e do fascismo.

 

 

 

 

 

 

Traduzido pela liga Socialista em 18 de fevereiro de 2015.

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com