Reino Unido: arautos do Brexit de Boris Johnson correm para abismo

06/01/2021 10:02

Statement by the Political Committee of Red Flag Tue, 29/12/2020 - 09:37

 

Seja o que for que uma pequena maioria do eleitorado imaginasse que obteria quando votassem para deixar a União Europeia, os estrategistas que planejaram o Brexit sabiam exatamente o que queriam. O UKIP de Nigel Farage e o Grupo de Pesquisa Europeu com Jacob Rees Mogg, assim como seus co-pensadores nos EUA, acreditavam que o capitalismo precisava ser revitalizado, eliminando-se as regulamentações e tratados impostos pelo Estado.

Para isso, eles contaram com o apoio dos setores mais empreendedores do capital britânico, pessoas como James Dyson e JC Bamforth, que haviam construído suas próprias empresas, muitas vezes contra corporações já entrincheiradas. Além disso, eles foram fortemente financiados por parasitas de fundos de hedge como Crispin Odey. Por diferentes razões, o capital de menor escala, mais intimamente ligado às economias locais, também compartilhava sua hostilidade à regulamentação governamental, especialmente à regulamentação governamental estrangeira.

Se a desregulamentação e o desmantelamento da legislação protetora eram a estratégia dessa pequena e pouco representativa minoria, suas táticas eram explorar o indubitável descontentamento de muitos trabalhadores e focalizá-lo nos “burocratas de Bruxelas” e nos trabalhadores imigrantes. Nisso, eles se beneficiaram do apoio dos barões da mídia de direita, dispostos a mentir descaradamente - “£ 350 milhões por semana para o NHS”, e recorrer ao racismo mais mal disfarçado, “80 milhões de turcos poderiam vir aqui! ”, resumido no slogan chave, “Devemos retomar o controle de nossas fronteiras”.

Eles também foram auxiliados, em uma escala muito menor, reconhecidamente, pelas organizações de suposta “extrema esquerda”: o Partido Comunista da Grã-Bretanha, o Partido Socialista dos Trabalhadores e o Partido Socialista, que espalharam a ilusão de que o Brexit poderia de alguma forma abrir o caminho para um governo de esquerda que introduziria um programa radical de nacionalização e reforma do bem-estar. Por que um governo conservador recém-eleito poderia fazer isso, permanece um mistério.

A vitória, no entanto, apresentou um problema aos Brexiteers: embora tivessem o apoio da maioria dos membros do partido conservador no governo, eles não estavam bem representados em sua liderança, cujos laços eram antes com as seções de longa data do grande capital, com suas estreitas relações com a máquina estatal de ambos e UE.

Theresa May, anteriormente uma fiel remanescente, emergiu como a líder do compromisso. Preparada para aceitar o Brexit, mas determinada a fazer todo o possível para manter laços estreitos com Bruxelas, uma posição que mais tarde foi satirizada como Brexit In Name Only.

May teve sorte de sobreviver ao desastre de sua eleição geral às pressas em 2017, sua vitória estreita obtida pelas ações da ala direita do Labour Party, que agora sabemos que se propôs deliberadamente a sabotar qualquer possibilidade de Jeremy Corbyn se tornar primeiro-ministro. Sua própria ala direita, no entanto, impaciente pela conclusão da pausa de Bruxelas enquanto Trump ainda estava no cargo, tornou sua posição insustentável.

Com Boris Johnson, os conservadores ganharam um líder que, em alguns aspectos, era perfeitamente adequado para a ocasião; em público cheio de fanfarronices sobre o No Deal (nenhum acordo) ser melhor do que um Bad Deal (mal acordo), na privacidade da sala de negociações ele "fez o Brexit" ao aceitar que a Irlanda do Norte tinha que permanecer sujeita aos regulamentos aduaneiros da UE e, portanto, tinha que haver uma fronteira entre a Grã-Bretanha e a Irlanda do Norte.

O problema de Johnson era que a clara preferência dos Brexiteers por No Deal era uma receita para o desastre econômico, especialmente após a derrota de Trump. Os representantes da capital britânica dominante sem dúvida explicaram isso a ele em termos inequívocos. A sua solução foi estancar as negociações aparecendo, em público, para insistir em termos que Bruxelas não poderia aceitar, desta vez sobre direitos de pesca, atrasando assim o tempo até ao último momento. Então, ele simplesmente fez um acordo sobre a pesca que poderia ter sido feito a qualquer momento no ano anterior.

Os primeiros resumos do Acordo de Livre Comércio sugerem que, embora não haja mais uma função para o Tribunal de Justiça Europeu, o Reino Unido concordou que qualquer um dos lados pode impor tarifas sobre bens específicos se o outro lado tentar reduzir os custos alterando, por exemplo, normas de proteção ambiental ou direitos trabalhistas.

Johnson pode se gabar de ter “feito o Brexit”, mas a realidade é que haverá uma discussão constante sobre os detalhes não só do comércio, mas da produção, por exemplo, sobre o uso de componentes de origem estrangeira em produtos supostamente britânicos. Tal atrito, sem dúvida, será usado pelo Daily Mail (Correio Diário) e pelo resto da imprensa de esgoto para continuar a alimentar o racismo, culpando a “Europa” por cada revés.

Uma vez que a “desregulamentação” acelerada era o objetivo principal dos Brexiteers, o negócio pode parecer uma vitória de Pirro para eles. Certamente, a derrota de Trump é um golpe em seus planos. O mesmo ocorre com a guerra comercial entre os EUA e a China. Ambos foram apontados como parceiros comerciais que poderiam substituir a UE, prometendo um “futuro de ouro” para uma Grã-Bretanha “independente”. Outra miragem de Johnson. Da mesma forma, os acordos comerciais que Liz Truss fez com outros países, o último com a Turquia, nada mais fazem do que manter os termos que o Reino Unido já tinha dentro da UE.

No que diz respeito à fabricação e exportação de bens, então, o Brexit provavelmente significará um declínio ainda maior. A Grã-Bretanha, entretanto, não é uma grande economia manufatureira; os serviços financeiros e profissionais superam em muito a produção, mas muitos desses setores não são cobertos pelo negócio da Johnson. Pelo contrário, a UE disse que só decidirá sobre o acesso do Reino Unido ao comércio financeiro após o fim do “período de transição”.

Resta saber, portanto, se a cidade de Londres pode manter sua posição como um centro global de finanças. Mas, o Reino Unido, sem dúvida continuará a exigir mais privatizações de ativos estatais e o reembolso dos enormes empréstimos feitos ao governo durante a crise pandêmica.

O que também é certo é que, em um mundo de crescente rivalidade inter-imperialista, os termos do acordo não oferecerão proteção duradoura para os direitos dos trabalhadores e empregos, e isso será verdade nos dois lados do Canal da Mancha. Muito se tem falado sobre as cláusulas de “equivalência” do acordo, que são consideradas uma proteção contra os patrões do Reino Unido que reduzem os padrões para minar os rivais europeus. No entanto, quaisquer ações contra tais mudanças só podem ser propostas após sua introdução. Isso significa que elas podem estar em vigor enquanto as “negociações” se arrastam.

Não há nada que impeça os empregadores da UE de manterem a “equivalência”, introduzindo eles próprios mudanças semelhantes, desencadeando uma corrida ao fundo do poço no que diz respeito à saúde e segurança, proteção ambiental, condições de trabalho e remuneração. É aqui que o aspecto mais prejudicial de toda a estratégia do Brexit fica claro: a criação de barreiras para a ação da classe trabalhadora unida através das fronteiras.

Essa é a razão fundamental pela qual os eleitores do Labour Party deveriam votar contra o acordo. Quando se opôs à Saída no referendo, estava certo dizer que o Brexit era a estratégia errada. O partido deveria ter continuado a explicar por que esse foi o caso durante a subsequente luta interna dos conservadores e na eleição de 2017. Em vez disso, Jeremy Corbyn e agora Keir Starmer aceitaram o resultado e afirmaram que poderiam negociar uma versão que protegeria os interesses dos trabalhadores.

No rescaldo do Brexit, à medida que os empregadores e financiadores de todos os países insistem em mais privatizações e mais austeridade, os socialistas terão que lutar por uma ação unificada da classe trabalhadora em defesa do que sobrou dos ganhos anteriores. Isso exigirá a construção de ligações que abrangem toda a Europa: Organizações de base em sindicatos, combinar comitês em corporações multinacionais e partidos políticos que rejeitam qualquer nacionalismo retrógrado e estejam comprometidos com uma solução internacionalista para as crises da Europa, a União dos Estados Socialistas da Europa.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/uk-boris-johnsons-brexit-heralds-race-bottom)

Tradução Liga Socialista em 06/01/2021

 

 

Brasil

Esta seção está vazia.

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com