Labour Party: Bloqueando para sempre a ala esquerda?

16/10/2021 17:42

Editorial, Workers Power 387, October, 2021 Thu, 14/10/2021 - 11:12

 

A primeira conferência anual de KEIR STARMER como líder começou a partir da afirmação de que "o Labour está de volta aos negócios" – o negócio de servir a classe dominante britânica.

Brighton Conference Centre testemunhou Keir Starmer, completando sua contrarrevolução contra a herança de Jeremy Corbyn, e o presidente do partido David Evans, alterando o livro de regras para facilitar a eliminação dos membros que ousaram eleger o veterano tribuno da esquerda, Corbyn, como líder.

Como o The Independent observou, o objetivo principal de Starmer em 2021 é "bloquear a ala esquerda do partido fora do poder para sempre".

E, embora os sindicatos bloqueassem sua tentativa de restaurar um colégio eleitoral que colocaria a adesão da minoria em qualquer futura eleição de liderança, ele ganhou o grande prêmio. Seu secretário geral da era Blair, David Evans, foi confirmado no cargo por 57% a 43% dos votos. Alterações de última hora na constituição partidária lhe dão autorização para continuar a "remodelar o partido" purgando-o de qualquer um que abale o barco.

Estas incluem:

Um período "probatório" de seis meses durante o qual os novos membros podem ser 'rejeitados por qualquer razão que o secretário-geral adote'  

• Elevando o nível de 'votos iniciais' para 50% dos membros do distrito antes que os membros do Parlamento em exercício tivessem que se submeter a um procedimento de reeleição

• Futuros candidatos à liderança precisariam ser endossados por 20% dos deputados do Labour – o dobro do valor atual – para chegar a votação de todos os membros, impedindo efetivamente que um ala esquerda como Corbyn se levante novamente.

Ainda assim, em várias questões – Palestina, a nacionalização das empresas de energia, o salário mínimo nacional – votaram por políticas opostas à da liderança. Mas, Starmer imediatamente deixou claro que não irá implementá-las. Em suma, os labouristas voltaram a transformar sua conferência "soberana" em um comício, cujo principal propósito é dar embaraçosas ovações coreografadas de pé ao querido líder e sua comitiva.

Houve outros percalços também. Andy McDonald renunciou ao gabinete das sombras (governo paralelo), porque disse que o gabinete do líder labourista "me instruiu a ir a uma reunião para argumentar contra um salário mínimo nacional de £ 15 por hora e contra o auxílio-doença". E o Sindicato dos Padeiros BFAWU, cujo presidente Ian Hodson havia recebido recentemente uma carta de "auto-expulsão" do QG labourista, chamou de volta seus delegados da conferência e revogou sua filiação de 119 anos ao partido.

O que fazer?

A esquerda labourista precisa fazer perguntas difíceis. Por que o corbynismo não conseguiu superar seu ponto alto de 2017 em termos de políticas e reformas democráticas? Por que a Equipe Corbyn, tanto no Gabinete do Líder como na Momentum, fez tão pouco para combater as falsas manchas antissemitismo e a expulsão de partidários leais? Por que a derrota nas urnas em 2019 resultou em um colapso tão rápido e total do movimento corbyn? E por que o Grupo de Campanha Socialista e a Momentum falharam em coordenar a resistência nos últimos dezoito meses?

A resposta a essas perguntas reside na crença da esquerda de que é vital preservar o Labour Party como uma "igreja ampla" para ganhar uma eleição que, em seguida, verá um governo promulgar políticas "socialistas". A dependência de Corbyn e McDonnell à direita explica por que eles não permitiriam que os membros deselecionassem deputados e conselheiros de direita, apesar de sua sabotagem aberta das chances labouristas em 2017 e 2019. Também explica por que não realizaram mudanças constitucionais que colocariam os deputados e o aparato nacional e regional sob o controle da base.

A direita labourista não mostrou lealdade correspondente a um líder de esquerda ou compromisso hoje em manter o partido em uma igreja ampla. O problema é que a maioria da esquerda no Labour e os sindicatos afiliados não veem alternativa ao corbynismo, assim como os mais velhos entre eles não viram alternativa ao bennismo na década de 1980. Ambos os movimentos viram o parlamentarismo e a vitória nas eleições como o único caminho para o que eles consideram como socialismo.

Eles não veem a luta de classes – nos locais de trabalho, nas comunidades, nas ruas – como a principal arena do partido, mas sim como auxiliar nas disputas eleitorais, na melhor das hipóteses. Mas o socialismo não virá através do parlamento – apenas uma derrubada revolucionária da classe capitalista abrirá o caminho para a construção do socialismo, salvação do planeta, acabar com o racismo, libertar mulheres e impedir futuras guerras imperialistas.

Ken Loach sugere refundar "um movimento labourista amplo, inclusivo e independente que une aqueles dentro e fora do Labor Party". Mas formar um Labor Party 2, se ele vê ganhar poder através das eleições, mas sem apoio sindical decisivo, é uma perda de tempo. Foi tentado com o Partido Socialista Trabalhista de Scargill, a Aliança Socialista e a Unidade de Esquerda. A luta contra o Starmerismo no partido e nos sindicatos filiados não pode ser contornada; tem que ir até o fim.

Ainda precisamos lutar pelas políticas legítimas aprovadas pela conferência de 2021, bem como as incorporadas nos manifestos da era Corbyn. Se isso significa ser expulso pelo Evans, que assim seja. Todos os socialistas precisam agir em solidariedade às lutas travadas por diferentes sindicatos contra o desemprego e os baixos salários, além dos movimentos contra as mudanças climáticas e pelos direitos dos refugiados. Isso tudo pode ser pontos de reunião para a esquerda.

Finalmente, a esquerda realmente precisa de um debate aberto sobre estratégia, reformismo ou política revolucionária, e que tipo de organização política a classe trabalhadora precisa - uma máquina eleitoral ou um partido de luta de classes.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (Labour Party: Locking the left out for good? | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista

 

 

 

Brasil

Esta seção está vazia.

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com