Itália: fascistas direcionam raiva contra sindicatos

30/10/2021 11:38

KD Tait, Workers power No 388 Thu, 28/10/2021 - 12:32

 

No sábado, 16 de outubro, dezenas de milhares participaram de uma manifestação antifascista em Roma, convocada pela Confederação Sindical CGIL (Confederazione Generale Italiana del Lavoro), em resposta a um ataque fascista à sede desta na semana anterior.

Em 9 de outubro, milhares de pessoas participaram de um protesto contra o Green Pass, um passaporte covid que fornece a prova de uma vacinação, um teste negativo recente ou recuperação recente da infecção.

Giuliano Castellino, líder do partido de extrema direita Forza Nuova, instigou o ataque do palco do comício na Praça do Povo:

"Sabe quem permitiu que o Green Pass se tornasse lei e o fato de que milhões de nossos compatriotas estão vivendo sob chantagem e em risco de desemprego? Eles têm nomes específicos: CGIL, CISL e UIL. Sabe o que cidadãos livres farão? Eles vão cercar a CGIL ... Vamos pegar tudo o que é nosso."

Em uma imitação deliberada do motim do Capitólio em Washington, manifestantes marcharam para o parlamento italiano. Depois que a polícia repeliu sua tentativa de invadir, a máfia liderada pelos fascistas atacou a sede da CGIL. Apesar do fato de que um político importante anunciou o ataque no centro de Roma, a polícia permitiu que os manifestantes destruíssem o prédio.

Políticos dos partidos governistas da Itália condenaram o ataque, como os líderes do Partido Democrata e do Movimento Cinco Estrelas pedindo a dissolução do Forza Nuova. Mas os trabalhadores não podem ter confiança nos partidos capitalistas que estão governando em coalizão com a Liga Norte de Matteo Salvini.

O senador Salvini — que apoiou a coalizão, mas não se juntou ao governo — tem incitado seus apoiadores a se oporem às medidas de combate ao Covid, que os deputados de seu partido votaram.

Green Pass

O pano de fundo dessas manifestações é a decisão do governo de fazer o Green Pass, que já havia sido exigido para locais públicos e alguns empregos, obrigatório para todos os trabalhadores em 15 de outubro. Aqueles que se recusam têm que pagar por testes que totalizam €180 por mês – bem mais de 10% do salário médio. Aqueles que violarem as regras enfrentam suspensão não remunerada e multas de até € 1.500.

A maioria dos italianos apoia o certificado de covid e, até agora, o movimento anti-vax tem sido dominado por organizações populistas e de extrema direita, mobilizando pequenos e médios empresários cujos lucros estão ameaçados pelos custos das restrições do covid. A manifestação antifascista convocada pela CGIL — que apoia o certificado obrigatório — superou o comício anti-vax na proporção de dez para um.

Mas a extensão do Green Pass para todos os trabalhadores desencadeou greves e bloqueios em portos em todo o país por Cobas, USB e outros "comitês de base" sindicais, que estão exigindo que o governo faça testes gratuitos para todos os trabalhadores.

O governo diz que a obrigatoriedade do Green Pass "tornaria os locais de trabalho mais seguros e a campanha de vacinas mais forte". O mesmo governo que se recusou a determinar o lockdown até que as greves fecharam os locais de trabalho depois que milhares morreram e levantaram o primeiro lockdown muito cedo desencadeando uma segunda onda mortal. Seu novo compromisso com a segurança no local de trabalho é cínico e seletivo.

A verdadeira razão é mais prosaica. Com a colheita prevista e os preparativos de Natal a todo vapor, os patrões da Itália estão desesperados para evitar outro confinamento.

A Itália tem uma das maiores taxas de vacinação do mundo, com 80% das pessoas com mais de 12 anos totalmente vacinadas — mas ainda restam quase 2,5 milhões de trabalhadores não vacinados. A resistência à vacina é maior entre trabalhadores mais velhos e migrantes, enquanto a UE se recusa a aprovar a vacina Sputnik.

A maior vacinação possível em todo o mundo é desejável, mas os socialistas devem se opor à vacinação obrigatória, que é contraproducente e potencialmente discriminatória. Os sindicatos devem pressionar por uma expansão maciça da campanha de saúde pública e informação, sob o controle dos trabalhadores, o que coloca a segurança dos trabalhadores à frente dos lucros. Isso seria muito mais eficaz.

Gestão da crise capitalista

 A resposta dos capitalistas à pandemia, em todos os países, tem sido guiada pela proteção de seus lucros. Em vez de investimentos rápidos e massivos em saúde, segurança no local de trabalho, educação vacinal e compras públicas e distribuição da vacina de acordo com um plano internacional para eliminar o vírus, os chefes e seus governos têm feito campanha para um retorno à "normalidade", ou seja, o acúmulo ininterrupto do lucro privado.

O Green Pass tornará a campanha de vacinas "mais forte" através da lógica capitalista simples — vacinar (e trabalhar) ou morrer de fome. A pandemia é, portanto, uma questão de classe.

Nós dizemos - ninguém está seguro até que todos estejam seguros. A questão de lutar pelo "covid zero" é uma questão política de decidir se os recursos da sociedade devem ser direcionados para produzir lucros ou salvar vidas através de uma campanha mundial de eliminação do vírus.

Abolir patentes e sigilo empresarial — Expropriar a Big Pharma e a saúde privada

Expandir maciçamente a produção de vacinas e a distribuição gratuita para o Sul Global.

Contra a vacinação obrigatória — Testes gratuitos pagos pela taxação dos ricos — Por um veto dos trabalhadores sobre condições de trabalho inseguras.

Salário integral e segurança do trabalho para todos os trabalhadores em isolamento social ou doentes — ou aqueles que recusam o Green Pass.

 

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (Italy: fascists direct covid anger against trade unions | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista

 

Brasil

Esta seção está vazia.

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com