Índia: marcha dos agricultores desencadeia novo movimento de massa contra Modi

27/12/2020 11:58

Imran Javiad Mon, 21/12/2020 - 14:24

Centenas de milhares de agricultores de toda a Índia iniciaram a marcha Delhi Chalo (vamos para Delhi) em 25 de novembro a pedido do Comitê de Coordenação do All India Kisan Sangharsh, que consiste de 300 organizações de agricultores. A marcha é apoiada por trabalhadores rurais, trabalhadores do transporte e setores importantes da classe trabalhadora.

Centenas de milhares se juntaram a ele, com o objetivo de chegar a Delhi para uma manifestação em massa, exigindo a revogação de novas leis, que empobrecerão ainda mais os pequenos agricultores, trabalhadores agrícolas e a massa da população rural em benefício dos capitais de grande escala. A polícia e as forças paramilitares atacaram repetidamente os manifestantes com cassetetes, gás lacrimogêneo e canhões de água, ferindo vários agricultores.

Isso não quebrou sua determinação. Entre 28 de novembro e 3 de dezembro, o número de agricultores bloqueando Delhi com a marcha Delhi Chalo foi estimado entre 150 e 300 mil. Eles pediram a paralisação da Índia no dia 8 de dezembro. Onze partidos políticos da oposição, incluindo o Congresso e o Partido Comunista, apoiaram o apelo.

A greve dos agricultores está sendo apoiada por organizações de trabalhadores, estudantes e mulheres de todo o país e protestos foram organizados em solidariedade ao protesto dos agricultores. Em muitas ocasiões, a determinação foi expressa com slogans pela liberdade e revolução e por continuar a luta até que as reivindicações sejam aprovadas. Os trabalhadores dos transportes também aderiram ao protesto, de modo que mais estradas para Delhi serão fechadas.

Não apenas o governo Modi fracassou em impedir a marcha dos agricultores, mas também foi exposto o fracasso de toda a sua política de distribuição e governança. As conversas do Ministro da Agricultura Tomar, com os agricultores, têm sido infrutíferas até agora, apesar da constante propaganda governamental na mídia afirmando que as novas leis vão estimular o desenvolvimento e o bem-estar da sociedade.

A marcha Delhi Chalo e o protesto dos agricultores são dirigidos contra a introdução do governo indiano da legislação neoliberal em nome de uma reforma que os deixará à mercê dos capitalistas agrários e financeiros. Os agricultores estão exigindo a remoção de três projetos de lei polêmicos, que encerrariam o preço mínimo de apoio. Esse preço, definido pelo governo, garante um preço mínimo para os produtos agrícolas. De acordo com a nova lei, a venda e o preço das commodities agrícolas estarão sujeitos às forças do mercado e aos preços que capital privado e o setor corporativo estão dispostos a pagar. Isso provavelmente levará ao massacre econômico de pequenos camponeses e agricultores por meio de entesouramento e outros meios.

Da mesma forma, os agricultores estão exigindo a retirada da emenda da conta de eletricidade que interromperá o fornecimento de eletricidade gratuita aos agricultores. A terceira exigência dos agricultores é a revogação da legislação impondo pena de cinco anos de reclusão ou multa de Rs 10 milhões para quem incendiar os campos.

Fazendeiros em Punjab, Haryana, Rajasthan, Uttar Pradesh e outros estados se opõem às leis há meses. Além de greves em Punjab contra isso, os serviços ferroviários também foram suspensos sob a estratégia Rail Stop.

Embora projetos de lei anti-camponeses estejam sendo introduzidos em nome da abolição do regime feudal, na realidade eles fortalecem o papel das grandes corporações, que serão capazes de manipular os preços acumulando e transferindo suprimentos entre diferentes estados. Eles forneceram oportunidades para grandes capitalistas como Mukesh Ambani, dono da gigante petroquímica Reliance Industries, e Gautam Adani, chefe do grupo Adani, que financiou o BJP, de colher os benefícios dessas reformas na agricultura. Essas reformas já resultaram no aumento dos preços dos alimentos para os trabalhadores e exacerbaram a situação dos pobres, que já gastam a maior parte de sua renda com alimentos.

Inflação

O Índice de Preços dos Alimentos ao Consumidor subiu 11,07% em outubro, enquanto a inflação no varejo subiu para 7,61%, a mais alta dos últimos seis anos - ambos ilustrando o aumento da carga sobre os camponeses e trabalhadores em todo o país. Ao mesmo tempo, isso proporcionou oportunidades para grandes capitais e comerciantes criarem carências artificiais no mercado, o que multiplicou os preços dos alimentos e, portanto, suas margens de lucro. Desde que o governo Modi destruiu o sistema de distribuição pública para evitar que as pessoas comprem grãos alimentícios com descontos, a maioria da população depende do mercado aberto para grãos alimentícios e vegetais.

Tudo isso deve ser visto no contexto de uma recessão dramática na Índia. No primeiro trimestre do ano financeiro (abril - junho), o PIB diminuiu 23,9%. Em 27 de novembro, o National Statistics Office publicou seu relatório do PIB para o segundo trimestre do atual ano fiscal (julho-setembro), que mostrou uma queda de 7,5% no PIB. Esta é uma contração de dimensões históricas. Ao mesmo tempo, isso acentuou as divisões sociais da sociedade. Há um aumento acentuado da pobreza e do desemprego, por um lado, e, por outro, enormes investimentos. De acordo com o FMI, os lucros da Índia aumentaram devido a pacotes governamentais e políticas anti-trabalhistas e anti-agricultor.

A greve geral de um dia em 26 de novembro, que reuniu 250 milhões de trabalhadores, camponeses e pobres, é uma greve histórica de acordo com os sindicatos, e a Marcha Delhi Chalo, mostraram a raiva da classe trabalhadora e a unidade dos camponeses, trabalhadores e estudantes. No entanto, a paralisação de 8 de dezembro na Índia não foi suficiente para ganhar as demandas de trabalhadores e agricultores. As negociações em 9 de dezembro não trouxeram resultados, e a onda de protestos em massa continua com novas manifestações e bloqueios de estradas, envolvendo centenas de milhares, senão milhões, até 14 de dezembro.

As impressionantes greves da classe trabalhadora na Índia nos últimos anos também são uma manifestação clara do fato de que a crise e as mobilizações de massa podem abalar o governo de Modi e sua agenda capitalista. Privatização, leis anti-trabalhistas e anti-camponeses, aumento dos lucros e redução dos salários, ataques a proteções legais e condições da classe trabalhadora fazem parte de um ataque capitalista maior.

Governo

A greve geral de 26 de novembro, bem como o movimento crescente de agricultores, pequenos camponeses e trabalhadores rurais e a solidariedade entre sindicatos e organizações de agricultores apontam para o desenvolvimento de uma força, que poderia não só revogar as leis do governo, mas também o governo Hindu-chauvinista Modi e sua agenda.

Para realizar tal movimento, os sindicatos precisam ir além das greves de um dia e da expressão de solidariedade aos agricultores. Há uma necessidade de resistência permanente às leis anti-trabalhistas e anti-camponesas, e greves por tempo indeterminado nas cidades e aldeias por salários mínimos e uma revolta camponesa em massa contra o capital agrário.

Sindicatos e organizações de agricultores estão lutando contra o ataque de Modi com coragem. Eles deveriam convocar a formação de comitês de luta nos locais de trabalho, em nível distrital, bairros e vilas, incluindo trabalhadores, pequenos e médios agricultores e camponeses sem terra. Não há necessidade de discriminar com base na religião, nacionalidade, casta e sexo. Unidades de autodefesa precisam ser formadas para defender o movimento contra a repressão do Estado e os ataques de extremistas hindus reacionários.

Uma greve política geral e uma revolta camponesa que paralisasse permanentemente o país levantariam inevitavelmente a questão do poder e, assim, suscitariam a possibilidade e a necessidade de passar de uma luta defensiva a uma luta ofensiva. É verdade que isso exige ir além da luta sindical.

Combinando esta luta com a luta contra todas as formas de opressão, a luta contra o governo do BJP com a luta contra o capitalismo, aponta para a necessidade de um partido político revolucionário da classe trabalhadora cujo programa seja baseado em demandas transitórias. Tal partido poderá conquistar a população rural se assumir as reivindicações dos camponeses e lutar pelo controle da terra a quem nela a trabalha, os camponeses e os trabalhadores rurais. Essa luta conjunta abriria o caminho para uma revolução permanente na Índia, culminando na luta por um governo de trabalhadores e camponeses para estabelecer o governo dos conselhos, expropriar capital estrangeiro e indiano em grande escala e introduzir uma economia planejada democraticamente.

No momento, não há força política na Índia que defenda tal programa em nível nacional. O Congresso, apesar de reivindicar atualmente o apoio aos agricultores e sindicatos, é ele próprio um partido capitalista, que deu início a muitos dos ataques neoliberais que Modi está tentando levar a seu fim lógico. Os partidos comunistas acabaram, de fato, com a longa luta pela abolição revolucionária do capitalismo, e a esquerda radical também está confusa e fragmentada. Temos que trazer para o centro da luta a necessidade de um partido que possa apresentar uma solução governamental revolucionária para a crise política atual.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/india-farmers-march-sparks-new-mass-movement-against-modi)

Tradução: Liga Socialista, 24/12/2020

 

Brasil

Esta seção está vazia.

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com