Guerra por Nagorno-Karabakh ameaça se tornar uma conflagração

07/10/2020 20:00

Martin Suchanek Fri, 02/10/2020 - 11:05                   -                         

 

Na manhã de 27 de setembro, o conflito crescente entre a Armênia e o Azerbaijão, que vinha sendo travado mais ou menos abertamente por mais de três anos, aumentou. Tropas azerbaijanas bombardearam Stepanakert, a capital de Nagorno-Karabakh, um enclave armênio que pertence formalmente ao território do Azerbaijão, mas está intimamente ligado à Armênia como região independente desde meados da década de 1990 e luta pelo reconhecimento internacional. Embora Nagorno-Karabakh tenha declarado independência em 2017, como a República de Artsakh, isso não foi reconhecido internacionalmente.

Ataque reacionário

O bombardeio do exército do Azerbaijão representa uma intensificação qualitativa da luta no conflito latente, que tem sido cada vez mais armado por ambos os lados desde julho.

Por sua vez, a liderança do Azerbaijão, sob o autocrático presidente Ilham Aliyev, está sob pressão de linha-dura da oposição extremamente nacionalista, que a acusam de ser muito branda com a Armênia e Nagorno-Karabakh. Uma mobilização contra seu arqui-inimigo, a Armênia, sucessos militares na região da fronteira em conflito, e ainda mais a reconquista de Nagorno-Karabakh, seria um "golpe libertador" para o regime em face de uma profunda crise econômica, corrupção galopante, e a queda dos preços do petróleo e do gás, a mais importante fonte de renda do país. Como tantas vezes, um ataque nacionalista é legitimado como um ato de autodefesa. Os ataques maciços de artilharia contra assentamentos armênios em 27 de setembro foram declarados pelo Ministério da Defesa do Azerbaijão como uma "contraofensiva" "para deter a Armênia.https://www.tagesschau.de/ausland/bergkarabach-kaempfe-103.html ).

Na realidade, o ataque é claramente de natureza reacionária. Se bem-sucedida, a população armênia de Nagorno-Karabakh se tornaria uma nação oprimida, com seu direito à autodeterminação pisoteado. No Azerbaijão, o governo dos oligarcas e do presidente Aliyev, que governou por 15 anos com meios semi-ditatoriais, ganharia nova legitimidade. Não apenas as minorias, mas também a classe trabalhadora e a juventude, que devem ser usadas como bucha de canhão na corrida armamentista reacionária, estariam sujeitas a uma opressão crescente e legitimada pelo nacionalismo.

Diante dessa situação, nossa solidariedade vai para todas as forças da esquerda, como a Juventude de Esquerda do Azerbaijão ( http: //www.criticatac.ro/lefteast/anti-war-statement-of-azerbaijani-left ... ), que resistiu ao impulso nacionalista reacionário e está pedindo pelo fim do ataque.

Não há dúvida de que o povo de Nagorno-Karabakh pode reivindicar o direito legítimo de autodeterminação (e autodefesa) para si. Os revolucionários, na verdade todos os democratas, devem reconhecer seu direito de decidir por si próprios se querem fundar seu próprio estado ou ingressar na Armênia.

Raízes do conflito e o papel da Armênia

Se fosse apenas sobre Nagorno-Karabakh e a questão de seu direito à autodeterminação, a questão do caráter do conflito geral seria bastante simples. No entanto, o conflito entre o Azerbaijão e a Armênia, que já dura mais de três décadas, complica a questão.

Durante os últimos anos da União Soviética, o conflito sobre Nagorno-Karabakh, que já existe há muito, eclodiu abertamente. Na URSS, a região foi alocada ao Azerbaijão contra a vontade de sua população armênia. Com o colapso da União Soviética, eles reivindicaram novamente o direito de se separar e encontraram forte resistência do Azerbaijão, ele próprio a caminho da independência. Os nacionalistas, eles próprios ex-burocratas do partido e intelectuais urbanos, não queriam desistir de Nagorno-Karabakh. Eles rejeitaram as tentativas de mediação soviética e buscaram uma solução militar.

No início da guerra aberta, que durou de 1992 a 1994, as forças armadas do Azerbaijão pareciam ter probabilidade de vencer, principalmente por causa de suas ações brutais, que custaram a vida a milhares de civis e culminaram em massacres bárbaros de aldeias inteiras. Mas então a maré mudou. As unidades militares da Armênia e Nagorno-Karabakh não só foram capazes de defender o enclave, mas também conquistaram várias províncias que ficavam entre ele e a Armênia. A população principalmente azerbaijana dessas áreas foi "limpa etnicamente" sob o domínio do não menos brutal nacionalismo armênio. Claramente, não se limitou a apoiar seus próprios aliados, mas posteriormente expulsou centenas de milhares de azerbaijanos de sete distritos sob controle armênio desde o cessar-fogo em 1994.

Em 1994, mais de 1,1 milhão de pessoas foram deslocadas do Azerbaijão e da Armênia, quase 10% da população total dos dois estados. Entre 25 mil e 50 mil pessoas morreram, de acordo com várias estimativas. Desde então, Armênia e Azerbaijão ocupam posições. Não apenas a questão de Nagorno-Karabakh não está resolvida, como ambos os lados se recusam a permitir o retorno de centenas de milhares de refugiados.

Nacionalismo reacionário de ambos os lados

O nacionalismo tornou-se uma doutrina de Estado de fato em ambos os lados, incluindo frequentemente o exagero extremo das diferenças religiosas e étnicas. Desde 1994, tem havido casos repetidos de conflito armado limitado entre as duas partes, mais recentemente na chamada "Guerra dos Quatro Dias" em 2016.

Ambos os estados experimentaram uma crise econômica maciça após o colapso da União Soviética, uma vez que seu planejamento econômico era baseado na divisão do trabalho dentro daquele estado. O maquinário da indústria era em grande parte obsoleto. A introdução da economia de mercado e a privatização assumiram a forma de pilhagem, uma espécie de “acumulação primitiva” de estruturas oligárquicas mafiosas.

Ambos os estados, ou seus regimes, continuaram a manter relações econômicas estreitas com a Rússia. Este último atuou como moderador entre os lados opostos, por conta própria ou no âmbito do chamado "Grupo de Minsk", que foi criado em 1993 para mediar e pacificar o conflito e inclui não apenas a Rússia, mas também a Alemanha, França e Estados Unidos. Basicamente, o conflito foi congelado. A ONU se recusou a reconhecer o direito de autodeterminação de Nagorno-Karabakh. Por outro lado, seus laços estreitos de fato com a Armênia e uma união econômica e monetária foram tolerados, assim como o controle armênio sobre áreas com uma população anteriormente de maioria azerbaijana.

A Armênia e o Azerbaijão obtiveram a maioria de suas armas da Rússia, embora em termos diferentes. Assim, o Azerbaijão, que é rico em petróleo e gás, teve que comprar a preços de mercado mundial, enquanto o exército armênio foi capaz de atualizar a preços "domésticos" russos mais favoráveis. A Sérvia também vendeu para ambos os estados "amigos", enquanto Israel e a Turquia abasteceu exclusivamente o Azerbaijão.

Enquanto a potência regional, a Turquia, como potência protetora do Azerbaijão, batia o pé e adotava tons extremamente agressivos, a Armênia se vinculava mais à Rússia e ao Irã. O Irã é o fornecedor de energia mais importante do país. A Rússia é de fato a potência protetora da Armênia e mantém várias bases militares lá. O país também é membro das alianças econômicas, políticas e militares dominadas pela Rússia, a Comunidade de Estados Independentes (CIS) e a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), a contraparte dominada pela Rússia da OTAN.

Porque agora?

Por que exatamente o conflito armado estourou novamente em julho ainda não está claro. No entanto, podemos identificar três fatores que desestabilizaram o equilíbrio que mantinha um frágil cessar-fogo desde 1994 e que havia sido posteriormente "mediado" pelo Grupo de Minsk e principalmente pela Rússia.

O primeiro é a instabilidade política e econômica de ambos os estados. Não apenas foram duramente atingidos pela Grande Recessão, como também são liderados por regimes repressivos, capitalistas e antidemocráticos, mesmo que o presidente armênio se gabe de ter chegado ao poder por meio de uma Revolução de Veludo. Para ambos, o nacionalismo oferece uma oportunidade de desviar a atenção dos conflitos internos, invocando a "unidade do povo".

Em segundo lugar, o equilíbrio econômico entre os estados mudou. O Azerbaijão, ao contrário da Armênia, possui grandes depósitos de petróleo e gás e, portanto, fontes de moeda estrangeira. Embora essa riqueza beneficie principalmente a oligarquia capitalista e as camadas dirigentes do aparato estatal, o país também tem conseguido usar os rendimentos das exportações de petróleo e gás para gastos militares, que nos últimos anos foram cinco vezes maiores do que os da Armênia. Em vista dos objetivos do regime (e da oposição nacionalista), provavelmente é muito tentador traduzir essas reservas econômicas e militares maiores em ganhos territoriais.

Em terceiro lugar, as mudanças nas condições geoestratégicas alimentaram o conflito, em particular, a rivalidade crescente entre o imperialismo russo e a Turquia. Os dois estão finalmente em confronto não apenas no Cáucaso, mas também na Síria e na Líbia, tornando o conflito ainda mais explosivo.

Mesmo que a UE e os EUA prefiram atuar principalmente como mediadores, uma vez que ambos enfrentam grandes problemas internos e outras prioridades, é duvidoso que os EUA, em particular, fiquem de lado se o conflito se intensificar ou se expandir regionalmente, por exemplo, se o Irã for atraído para ele.

Incêndio iminente

Assim como qualquer um dos conflitos nos Bálcãs antes de 1914 poderia facilmente ter levado à guerra mundial, também o poderia o conflito sobre Nagorno-Karabakh e a ameaça de guerra entre a Armênia e o Azerbaijão.

Ambos os lados, Azerbaijão e Armênia, recusaram até agora qualquer mediação, ambos declararam lei marcial. Ambos culpam outras potências, com mais ou menos justificativa, de apoiar o outro lado. Embora a Turquia apoie aberta e completamente o Azerbaijão, provavelmente está dando ajuda logística e é acusada de enviar milicianos reacionários da guerra na Síria como "voluntários", ela acusa o Irã e a Rússia de apoiar a Armênia.

Atualmente, a Rússia (e provavelmente a China e a maior parte do Ocidente também) prefere uma solução "pacífica", ou seja, o congelamento ainda maior do conflito. Isso permitiria à Rússia manter laços estreitos com o Azerbaijão e a Armênia e, portanto, um papel dominante. Por outro lado, seria difícil tolerar uma expansão geoestratégica da Turquia, porque isso abalaria severamente seu papel de força da ordem na Eurásia, bem como no Oriente Médio e no Mediterrâneo.

Assim, o CSTO se revelaria um tigre de papel se não pudesse apoiar uma Armênia em perigo e Nagorno-Karabakh, que apoia, mesmo contra as forças do Azerbaijão e a crescente influência da Turquia.

A ameaça de guerra é real. O conflito pode facilmente se transformar em uma conflagração e, mesmo que ninguém queira isso, qualquer ação de um lado ameaça provocar uma reação do outro. Mesmo que parte da retórica grand-turca de Erdogan possa ser "apenas" retórica, regimes bonapartistas como o dele podem facilmente ir longe demais com suas aventuras de política externa - com consequências fatais.

Qual perspectiva?

O movimento internacional dos trabalhadores e toda a esquerda devem se opor resolutamente à mobilização nacionalista de ambos os lados e a qualquer interferência da Turquia, Rússia e outras potências. Eles devem apoiar todas as forças na Armênia e no Azerbaijão que se opõem a um massacre iminente e fortalecê-las por meio de ações da classe trabalhadora e dos oprimidos, especialmente na Turquia e na Rússia.

Um meio central de parar as intervenções geoestratégicas da Turquia e da Rússia (bem como de outras potências) é a luta contra os próprios regimes autocráticos de Erdogan e Putin.

No entanto, para conter o nacionalismo na Armênia e no Azerbaijão com uma alternativa política, também é necessário um programa que possa fornecer uma solução para as questões democráticas e sociais urgentes.

Isso deve incluir o reconhecimento do direito à autodeterminação de todas as nações, incluindo a população de Nagorno-Karabakh; o direito de retorno de todas as pessoas deslocadas e a decisão popular sobre o futuro status dos distritos ocupados pelas forças armadas armênias. No Cáucaso, como nos Bálcãs, o direito à autodeterminação pode ser apenas um elemento na solução da questão nacional. O outro deve consistir na formação de uma federação voluntária dos estados do Cáucaso, a fim de garantir a abertura das fronteiras entre as várias regiões.

Como a história da União Soviética, mas sobretudo a restauração do capitalismo, demonstrou, uma solução democrática para a questão nacional é inseparável da questão de classe, a questão em cujo interesse a economia é organizada. Com base no capitalismo oligárquico, nos mercados neoliberais, na escassez, no desemprego e na pobreza, falsas soluções reacionárias, nacionalistas ou racistas serão apresentadas repetidamente pelas classes dominantes. A luta pela autodeterminação e uma federação dos estados do Cáucaso deve, portanto, ser combinada com a luta pelos governos revolucionários dos trabalhadores e camponeses e a formação de uma federação socialista baseada em economias democráticas planejadas.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/war-over-nagorno-karabakh-threatens-become-conflagration)

Tradução: Liga Socialista em 07/10/2020

 

 

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com