Fora as tropas francesas do Mali. Abaixo com o colonialismo francês!

01/09/2021 21:19

Marc Lassalle Seg, 16/08/2021 - 13:55

 

Em uma declaração em junho de 2021, o presidente Macron anunciou o fim da Operação Barkhane, na França, no Mali. Esta intervenção militar foi iniciada em 2013 sob o nome de Serval pelo então presidente François Hollande, supostamente para impedir o avanço dos jiadistas que ameaçavam a capital Bamako. Na época de seu lançamento, todos os partidos políticos franceses o apoiaram, incluindo a Frente de Gauche, o Partido Comunista e Jean-Luc Mélenchon. As únicas exceções notáveis foram o Novo Partido Anticapitalista (NPA) e Lutte Ouvriere (LO), que o denunciaram de uma posição anti-imperialista.

Oito anos depois, o balanço do imperialismo francês é sombrio, mas é ainda pior para o povo do Mali. Apesar de posicionar 5.100 tropas no país, e usar um arsenal de armas de alta tecnologia como drones, helicópteros, mísseis, caças a jato etc., o Sahel (área ao sul do deserto do Saara) tornou-se "o epicentro do terrorismo internacional" segundo Emmanuel Macron. Os jiadistas estão até se tornando uma ameaça para outros países como Burkina-Faso e visam expandir-se para o Senegal ou Costa do Marfim.

Dois golpes de estado em 9 meses empurraram ainda mais o estado do Mali para o colapso, enquanto o Chade também está desestabilizado. Oito mil pessoas, a maioria civis, foram mortas na área desde 2012 e 2 milhões foram deslocadas, enquanto 3,9 milhões precisam de ajuda humanitária. O paralelo com a retirada simultânea das forças dos EUA e da OTAN para fora do Afeganistão, e a situação terrível lá, é evidente. No entanto, apesar de todos os anúncios, isso está longe do fim da opressão colonial francesa na área e novas crises e intervenções estão se aproximando.

Colônia

"A França liberta. A França carrega valores. Não tem interesse no Mali. Não defende nenhum esquema econômico ou político. Ela simplesmente serve para a paz", afirmou François Hollande em 2013. Infelizmente, esta retórica é simplesmente um acúmulo de mentiras cínicas e uma farsa completa.

As ações da AQMI e de outros grupos fundamentalistas islâmicos são totalmente reacionárias e condenamos a opressão dos direitos das mulheres e outras liberdades fundamentais e a imposição de medidas teocráticas. Mas, assim como a ocupação imperialista no Afeganistão, a democracia e os direitos das mulheres só servem como uma “folha de figo” ideológica. A verdadeira razão para essa intervenção está em outro lugar.

Os franceses "servindo liberdade e paz" começaram com a ocupação militar do país em 1863, depois da qual o Mali foi integrado à África Ocidental Francesa, primeiro como Haut-Sénégal-Níger e depois como Sudão francês. Para desenvolver a produção de arroz e algodão, o trabalho forçado foi massivamente utilizado, e a população também forneceu centenas de milhares para o exército francês como bucha de canhão sob o nome de "tirailleurs" em ambas as Guerras Mundiais.

Como em outras colônias francesas, a independência obtida em 1960 foi mais formal do que substancial. Um golpe de Estado em 1968 colocou no poder um ditador, Moussa Traoré, que permaneceu presidente até 1991 com o apoio do Estado francês. Do ponto de vista econômico, os grandes negócios são completamente dominados pelas multinacionais francesas do setor bancário (BNP-Paribas), pela infraestrutura e construção (Bolloré, Bouygues), telecomunicações (Orange) etc., com um superávit confortável de € 300 milhões nas bolsas comerciais em favor da França. O Mali é completamente dependente da França por sua moeda, como a maioria dos outros estados do império colonial francês: o franco CFA é de fato impresso e estritamente controlado pela França.

Mali é um dos dez países mais pobres do mundo. De acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano, ele ocupa 175 dos 187 países, com uma expectativa de vida de 53 anos e uma taxa de analfabetismo de 69%. Mais da metade da população vive na pobreza. Após a crise do algodão, outrora o "ouro branco", a única riqueza conhecida é o ouro real: o Mali é o terceiro maior produtor africano, e isso representa dois terços do valor das exportações, controladas por empresas canadenses e sul-africanas.

Não é de admirar, portanto, que os imigrantes malianos constituam um componente significativo da classe trabalhadora francesa, especialmente no setor da construção civil, e como todos os outros imigrantes são particularmente oprimidos pelas leis discriminatórias racistas na França.

Então, dado tudo isso, por que a França está tão preocupada com um país pobre e atrasado no meio da África?

Intervenção

A primeira razão, é claro, é que o Mali, como a maioria dos outros países africanos, é visto pelo imperialismo francês como uma fonte presente e futura de matérias-primas e mão-de-obra barata. O norte do país é em grande parte inexplorado, mas além de ouro e petróleo, outros minerais podem estar presentes. Há também planos para explorar a energia solar no Saara e transferi-la como energia elétrica para a Europa.

Mais importante para a França, a grande mina de urânio de Arlit, no Níger, fica a apenas algumas horas da fronteira maliana. Esta mina produz a maior parte do urânio para reatores franceses e é claro, também para armas nucleares. Uma situação estável e controlada no Norte do Mali é essencial para a continuação da produção em Arlit desta commodity estratégica.

O controle da situação no Mali também é crucial para o controle das rotas que ligam a África Central ao Magreb. Como nos tempos das caravanas, quando o comércio estava florescendo através do Saara, essas rotas agora são fortemente usadas para negociar todos os tipos de bens, incluindo cigarros, reféns, armas e drogas. Eles também são usados por milhares de migrantes todos os anos para ir para o Norte, tentando chegar à Líbia ou Tunísia e depois Europa. Em resumo, o Mali é um importante elo na dominação colonial francesa de toda a área e o imperialismo francês não pode tolerar a desintegração do país, abrindo caminho para grupos armados descontrolados a serviço de outros interesses. De fato, isso poderia desestabilizar toda a área muito além de Sahel.

Após vitórias rápidas contra os grupos jihadistas (AQMI, MUJAO, Ansar Eddine) no início da intervenção, o exército francês deu o controle da parte norte do país a um grupo armado de Tuareg, MNLA (Mouvement National de Libération de l'Azawad). Os jiadistas sofreram várias derrotas, mas ainda se espalharam por toda a região, tentando se conectar com outros conflitos, por exemplo, no centro do Mali. A popularidade inicial da intervenção francesa começou a evaporar após vários casos de assassinatos de civis. Com a autoridade estatal em declínio, o país está cada vez mais sob controle de grupos armados.

Estado fraco

O problema é que, como estado, o Mali era fundamentalmente fraco desde a sua criação. Como muitos outros estados coloniais, é realmente uma entidade artificial, o Norte é uma região desértica essencialmente povoada pelos Tuareg, um povo nômade sem um estado que hoje está espalhado por cinco países. Mais ao sul, Sahel é habitado por pastores de gado, é apenas mais perto do Níger que a agricultura é possível. As tensões entre Tuareg e o estado central maliano têm sido uma característica praticamente permanente por décadas, incluindo várias insurreições e guerras civis.

Além dessa natureza de miscelânea, o estado central tem sido extremamente enfraquecido por sua dominação imperialista. Entre os anos de 1970 e 1980, a dívida dobrou, com a França sendo o principal credor. Na década de 1990, o FMI e o Banco Mundial impuseram uma dura política de reestruturação da dívida (planos de ajuste estrutural), levando a privatizações e cortes no já escasso setor público, incluindo escolas e serviços de saúde. Em muitas aldeias, as escolas são inexistentes e os serviços de saúde estão limitados à medicina tradicional. Não admira que o exército maliano esteja em um terrível estado. A corrupção é abundante e os cem milhões de euros investidos lá pelas potências ocidentais simplesmente desapareceram nas mãos de uma inepta casta burocrática.

A situação internacional também é uma poderosa fonte de desestabilização. A intervenção franco-britânica na Líbia rapidamente derrubou o regime de Gaddafi, mas criou um caos político no qual o controle do petróleo líbio é fortemente disputado. A queda do regime de Gaddafi levou à criação de grupos armados no Norte do Mali: soldados tuaregues, uma vez parte do exército de Gaddafi, fugiram para o Mali e os enormes estoques de armas da Líbia foram vendidos em toda a região. Mais globalmente, o Mali é apenas um peão em uma nova disputa pela África, onde os antigos laços de dominação criados pelo imperialismo francês são ameaçados por outros países, incluindo a China.

Uma das razões para a expedição de Barkhane, portanto, foi reafirmar a supremacia francesa em seu quintal. A França é provavelmente o único país que pode enviar tropas para a região quase à vontade, sem sequer o disfarce de uma missão internacional de paz sancionada pela ONU. E isso praticamente sem protesto internacional ou indignação. As cenas de paraquedistas franceses tomando Timbuktu foram destinadas tanto como uma demonstração de força para outros países africanos, "comportem-se ou o mesmo acontecerá em seu país", e para afastar outras potências.

No entanto, como Napoleão disse uma vez, você pode fazer muitas coisas com uma baioneta, exceto sentar nela. Oito anos depois, a França não pretende se envolver ainda mais em uma interminável missão de paz que já está se transformando em uma lenta guerra de atrito (desgaste). Declarar o fim da Operação Barkhane, portanto, é apenas um movimento para camuflar a realidade de uma mudança de estratégia.

Nova missão

A França deixará 2.000 soldados na área, além dos 4.000 permanentemente baseados na África, de Costa do Marfim a Djibuti. Essas forças já intervieram 48 vezes na região desde sua independência, quase uma vez por ano.

Por muitos anos, a França tem procurado dar à sua intervenção a cobertura de um mandato internacional. Isso não só dá cobertura política, mas também permite a substituição das tropas francesas pelas de outros países. A ONU criou uma missão de paz MINUSMA (Mission Multidimensionnelle Intégrée des Nations Unies pour la Stabilisation du Mali), com tropas de outros países africanos, incluindo o Chade. Uma cúpula especial "G5 Sahel" foi criada com Mali, Níger, Chade, Burkina-Faso e Mauretania. Os países europeus apoiaram Barkhane logisticamente e permitiram fundos para o treinamento do exército maliano. Seguindo essa lógica, a França basicamente fez um acordo com as forças tuaregues no Norte, mais notavelmente o MNLA, usando-os como um representante do exército francês.

Cada vez mais, a UE é atraída a intervir politicamente no Magreb e no Sahel, efetivamente a considerá-la como sua fronteira sul, e apoia o imperialismo francês como a principal força nesta tarefa. Através da MINUSMA, a UE lidera uma missão para treinar o exército maliano e as forças policiais. Só a Alemanha já enviou mais de 1000 soldados no país para apoiar os interesses imperialistas franceses, e para perseguir seus próprios interesses. Vários países da UE, entre eles França, Suécia, Estônia e República Tcheca, estão patrocinando um novo grupo de intervenção "anti-terror" chamado Takuba, cujas ações não se limitarão ao Mali, mas apoiarão todo o G5 Sahel.

Nenhuma solução progressista pode vir para o povo maliano a partir da intervenção imperialista francesa, ou de quaisquer missões conjuntas com seus aliados, sejam eles sob a bandeira da ONU, da UE ou de qualquer outra aliança de "manutenção da paz".

Na verdade, o oposto é verdade. Todas as forças imperialistas e seus auxiliares precisam ser retirados do país. Se eles estão tão preocupados com o povo do Mali, eles poderiam simplesmente deixar suas armas nas mãos de organizações trabalhistas, femininas e democráticas. Somente através da auto-organização de trabalhadores e camponeses, o armamento do povo e a criação de milícias trabalhadoras, camponesas e populares será possível parar a violência reacionária e a opressão das mulheres pelas forças islâmicas fundamentalistas, do exército malinês e de outras forças de ocupação.

Esta forma de autodefesa e auto-organização tem de caminhar lado a lado, com a luta contra o punho de ferro que a França e outras potências imperialistas exercem sobre o continente através da dívida e dos chamados "programas de reestruturação". Se alguém quer enfrentar a devastação social do país, é preciso cancelar a dívida e desapropriar sem compensação todas as empresas imperialistas e a classe capitalista corrupta do próprio país que saqueiam sua riqueza. Da mesma forma, é preciso abordar as principais questões democráticas no Mali e além disso, o direito de autodeterminação nacional para pessoas como os Tuareg, a defesa e extensão dos direitos das mulheres, o controle da elite militar e burocrática, a questão da terra, que aguçou e provavelmente aguçará ainda mais por causa do aquecimento global e da desertificação da terra.

Todas essas questões precisam ser abordadas na luta contra os islâmicos, os regimes putschistas e os imperialistas. Para abordar essas questões sociais e democráticas fundamentais e o futuro do país, a luta por uma assembleia constituinte será crucial para reunir a classe trabalhadora, os camponeses, os pobres urbanos e rurais, as mulheres, as nacionalidades oprimidas, a inteligência democrática e até mesmo setores da pequena burguesia urbana. Dada a natureza bonapartista do regime no Mali e de seu estado, as eleições e o trabalho de uma assembleia constituinte precisariam ser controlados por conselhos de ação da classe trabalhadora e das massas populares, lutando dentro de tal assembleia para tomar o poder nas mãos de um governo operário e camponês, apoiado por esses conselhos e por uma milícia popular armada.

Para trazer tal perspectiva, a classe trabalhadora precisa assumir a liderança política em uma luta revolucionária, combinando as questões democráticas não resolvidas com a luta por uma transformação socialista no Mali e em todo o continente. Para alcançar essa tarefa, a classe trabalhadora precisa construir seu próprio partido, baseado em um programa de revolução permanente.

A retirada de todas as tropas imperialistas é a chave para qualquer desenvolvimento nessa direção. As tropas francesas, alemãs e outras de "manutenção da paz" não só provaram ser completamente incapazes de parar as forças de reação, como são elas mesmas parte do problema, estando sistematicamente envolvidas em atrocidades. Mais ainda, é sua dominação colonial e imperialista do país que empobrece as massas e bloqueia qualquer desenvolvimento democrático ou social real, e são os interesses econômicos e geopolíticos do imperialismo francês e seus aliados que defendem. As tropas imperialistas serão inimigos mortais de qualquer movimento real e independente das massas populares, e da classe trabalhadora em particular, seja no Mali ou em qualquer outro estado africano. Portanto, a classe trabalhadora da França e da UE têm de lutar sem reservas contra qualquer forma de intervenção imperialista no Mali e em todo o continente.

  • Fora todas as tropas francesas e seus aliados, do Mali e de outros países africanos! Não a qualquer missão renovada da ONU ou da UE de "manutenção da paz"!
  • Não à fortificação da Europa! Abram as fronteiras para os migrantes! Direitos democráticos completos na Europa para migrantes e trabalhadores da UE!
  • Cancelamento da dívida do Mali! Pelo fim do saque do continente africano, por países imperialistas!

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (French troops out of Mali, down with French colonialism! | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista em 01/09/2021

 

 

Brasil

Esta seção está vazia.

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com