Dia Internacional da Mulher, 2021

16/03/2021 11:59

League for the Fifth International Sat, 06/03/2021 - 20:19

 

2020 será lembrado por muito tempo pela enorme escala da crise de saúde pública, econômica e social desencadeada pela Covid19. Também deve ser lembrado porque expôs nos termos mais rígidos como o capitalismo oprime e explora as mulheres trabalhadoras. O fato de que as mulheres desempenham um papel importante em empregos essenciais, mas mal pagos e precários; de que a casa da família é muitas vezes o local de violência doméstica, que disparou durante a pandemia; e que, com o fim da crise, os governos e os empregadores procurarão fazê-las pagar pelos custos da crise, tudo atesta isso.

As mulheres já pagaram o preço mais alto durante a crise, seja como trabalhadoras de saúde na linha de frente em hospitais e lares de idosos, ou por meio do aumento da assistência infantil, incluindo “aprendizagem em casa” onde as escolas foram fechadas. Todo esse trabalho, é claro, não é remunerado. Pior ainda, elas sofreram graves perdas de renda onde foram forçadas a abandonar seus empregos em hotelaria, varejo ou escritório, enfim, todas ocupações em que a força de trabalho é principalmente feminina. Enquanto isso, foram grandes capitalistas como Jeff Bezos, da Amazon, que enriqueceram, superexplorando sua força de trabalho enquanto negavam a elas o direito de se filiarem a um sindicato.

Nas primeiras semanas da pandemia, as mulheres da saúde e das “indústrias essenciais” foram aplaudidas por seus colegas de trabalho, mas todos os “agradecimentos” que receberão de seus patrões serão perdas salariais de longo prazo ou desemprego permanente. No chamado sul global, em fábricas e lojas, bem como nos lugarejos, as mulheres enfrentam superlotação perigosa e condições insalubres, tudo ajudando a propagação e gravidade da pandemia. Com a terrível falta de assistência médica, elas ainda terão que esperar muito tempo pela vacinação. As camponesas e suas famílias na Índia já enfrentam a expropriação de suas pequenas propriedades durante uma nova onda de grilagem de terras por grandes corporações e latifundiários.

Portanto, precisamos deixar claro que a pandemia e as medidas de bloqueio representaram um retrocesso perigoso sobre os ganhos que as mulheres obtiveram nas últimas décadas no local de trabalho e na sociedade. Eles vieram além dos efeitos da austeridade e da privatização sobre os serviços públicos como jardins de infância, refúgios para mulheres e sobre os salários e níveis das pessoas que neles trabalham. Quando os políticos falam em “reconstruir melhor”, é nesses serviços vitais que devemos lutar para reconstruí-los e ampliá-los.

Além disso, os governos burgueses, em vez de aprender até as lições mais simples da pandemia, tendem a privatizar ainda mais os setores de assistência, educação e saúde. Existe o perigo real de que as forças reacionárias exortem as mulheres a “voltar” para a casa da família, para aí realizar cada vez mais trabalho não remunerado; reproduzir a força de trabalho dos trabalhadores e formar uma nova geração a ser explorada por sua vez. Esse perigo aponta para a solução que os marxistas sempre defenderam: a socialização do trabalho doméstico e o envolvimento das mulheres em toda a gama de empregos (igualmente) remunerados.

A combinação de crise econômica e pandemia revelou a conexão clara entre a opressão das mulheres e a exploração de classe sob o capitalismo. O próximo ano será decisivo para determinar se isso resultará em um ressurgimento bem-sucedido das lutas de mulheres e de classe contra os patrões e seus governos, ou em derrotas históricas.

Os últimos anos mostraram que as mulheres não são vítimas passivas da exploração e da opressão patriarcal, mas que as expuseram e lutaram contra elas. As lutas heroicas das mulheres nas linhas de frente de movimentos como #MeToo, Ni Una Menos, a greve das mulheres, Black Lives Matter, bem como os protestos de agricultores na Índia e movimentos pelos direitos sociais e democráticos na Bielo-Rússia, Hong Kong, Mianmar ou Líbano, mostram que há bons motivos para ter esperança. Essa esperança, pensamos, precisa encontrar uma perspectiva em uma luta internacional com o objetivo de socializar plenamente o trabalho reprodutivo e produtivo.

Isso, é claro, só pode ser alcançado com o renascimento ou formação de organizações de militantes da luta de classes. Nos últimos anos, muitos passos importantes foram dados para desenvolver tais organizações. Muitas mulheres que lutam cada vez mais se veem como parte de um movimento global contra o patriarcado e o capitalismo.

Pensamos que isso exige a preparação de uma conferência de massa global dos movimentos de mulheres, semelhante em espírito aos primeiros fóruns sociais continentais e mundiais, reunindo as experiências de diferentes movimentos de mulheres trabalhadoras, mas, mais do que isso, dando-lhes uma direção comum através de ações mutuamente acordadas. Isso poderia enviar um forte sinal para todo o mundo.

Os camaradas da Liga pela Quinta Internacional estão fazendo o possível para contribuir para a construção de tal movimento. Eles também fazem tudo o que podem para defender uma visão alternativa da sociedade, o socialismo, para alcançar a libertação das mulheres, a libertação dos trabalhadores, a libertação para lésbicas, gays, trans e pessoas de gênero não binárias. Se milhares de ativistas internacionais se reunissem pessoalmente e online para discutir juntos o caminho a seguir, isso fortaleceria as lutas que acontecem em todo o mundo, trazendo-lhes solidariedade e apoio.

Convocamos aqueles que concordam com esta proposta a entrarem em contato, bem como com outros, para discutir quais os primeiros passos que podemos dar juntos, para ganhar mais e maiores forças como os sindicatos, partidos da classe trabalhadora e movimentos inteiros de mulheres, para tal objetivo.

Os protestos de 8 de março deste ano são, portanto, particularmente cruciais, pois serão uma demonstração de força e autoconsciência sobre a necessidade de lutar contra uma das maiores crises do capitalismo de todos os tempos.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/international-women%E2%80%99s-day-2021)

Tradução Liga Socialista em 15/03/2021

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com