Brasil: Neofascista Bolsonaro à beira da vitória

19/10/2018 19:55

Redflagonline Wed, 10/10/2018 - 10:34

 

Os massivos movimentos políticos e sindicais dos trabalhadores brasileiros, agricultores sem terras e pobres moradores nas favelas enfrentam um perigo mortal; a eleição de um semifascista, Jair Bolsonaro. Ele obteve 49 milhões de votos no primeiro turno das eleições presidenciais, 46 por cento do total, contra Fernando Haddad, o candidato do Partido dos Trabalhadores, PT, que obteve 31 milhões de votos ou 29 por cento. Sem o apoio sólido do Nordeste, onde Haddad venceu 8 dos 9 estados, Bolsonaro teria vencido no primeiro turno.

A ascensão de Bolsonaro foi espetacular. Seu Partido Social Liberal, PSL, também ganhou 52 assentos na câmara dos deputados, tornando-se a segunda maior bancada depois do PT, com 57 assentos. Nas eleições legislativas de 2014, tinha conseguido apenas um assento na câmara baixa. Impulsionado pela mídia como um herói pela tentativa de assassinato contra ele durante sua campanha, Bolsonaro é apoiado por forças de extrema-direita nas forças armadas que cortejou elogiando os brutais ditadores militares que governaram o país dos anos 1960 aos anos 80.

Por muito tempo considerado apenas um dissidente de direita, Bolsonaro lançou ameaças regulares de violência contra os líderes dos trabalhadores e se engajou na mais cruel demagogia e discurso de ódio contra seus conterrâneos negros e mestiços, bem como contra gays e povos indígenas. Isso funcionou bem com uma massa de seguidores entre a privilegiada classe média branca, especialmente nas igrejas cristãs evangélicas. Essa base social está amargamente ressentida com as reformas limitadas que os presidentes do PT, Lula da Silva e, em menor medida, Dilma Rousseff, promulgaram entre 2002 e 2016.

O governo do PT foi encerrado por um golpe “legal” realizado pelo Senado e pelo vice-presidente da Rouseff, Michel Temer, em 31 de agosto de 2016. Desde então, o Brasil está em tumultos com manifestações regulares e greves gerais de um dia e o país não conseguiu recuperar significativamente do colapso econômico de 2014; o crescimento foi de apenas 1% em 2017-18. As campanhas de resistência foram organizadas pelo PT e suas formações de massa associadas, como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, MST, e a central sindical CUT, bem como os partidos de extrema esquerda do Brasil, como o Partido da Libertação e Socialismo, PSol.

No entanto, para protestar contra um golpe como o de Temer e dos partidos burgueses e juízes que o apoiaram, levou a uma situação em que as forças da direita estão determinadas a esmagar e pulverizar os operários e movimentos populares para impedir as massas de derrubar o governo. Eles não têm inibições democráticas como os líderes do PT, sabem que a máquina de estado brasileira é deles e pode ser confiável para obedecer suas ordens.

Seu objetivo é instalar um regime selvagem de privatização e destruição neoliberal dos ganhos sociais e direitos sindicais feitos ao longo de um terço de século. Os direitos das mulheres, dos indígenas, dos sem-terra, dos homossexuais e seus defensores, serão todos atacados.

O principal assessor econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, ex-banqueiro de investimentos da Bozano Investimentos, tendo iniciado sua carreira na Chicago School of Economics, disse que o Brasil deveria privatizar tudo, do Banco do Brasil à petrolífera nacional, Petrobras SA. "Venda tudo", disse ele em entrevista à Reuters, "privatizar cautelosamente, timidamente, não serve".

No segundo turno, Fernando Haddad é agora o único candidato que pode barrar Bolsonaro, mas é provável, de fato certo, que ele seguirá a velha estratégia do PT de fazer uma aliança com partidos pseudo-social-democratas e mesmo burgueses, centro e centro-direita, em torno da ideia de “salvar a democracia”. Esta é a antiga estratégia de “frente popular” para derrotar o fascismo, que foi implantado com consequências desastrosas, em 1936-9 na Espanha e no Chile em 1973, por exemplo. O próprio Temer era um aliado!

O preço que tais "aliados" exigiram é abandonar o fraco programa reformista e adotar o deles. Haddad declarou imediatamente: "Tenho total tranquilidade em ajustar os parâmetros do programa para que seja o mais representativo dessa ampla aliança democrata que pretendemos fazer".

Enquanto a classe trabalhadora nunca rejeita a ajuda de outras classes e seus partidos em uma luta para defender seus interesses vitais, a ênfase deve estar na luta real nas ruas e nos locais de trabalho. As probabilidades estão muito pesadas contra Haddad no terreno eleitoral, uma vez que é provável que os partidos burgueses sejam mais influenciados pelo programa de Bolsonaro de saquear as indústrias estatais e colocar os trabalhadores e os pobres armados do que por suas ameaças à democracia. Internacionalmente, enquanto o Economist alertou sobre o perigo de Bolsonaro, o Financial Times é muito mais cauteloso, olhando com atenção suas reformas neoliberais. Com certeza, Trump não condenará um regime semifascista no Brasil.

Apesar da situação eleitoral adversa, no campo da luta de classes, tudo está longe de estar perdido. Os sindicatos e partidos de trabalhadores e camponeses ainda podem mobilizar seus milhões para bloquear o caminho para o fascismo ou qualquer retorno ao regime militar. Qualquer mandato democrático para Bolsonaro será o resultado de uma gigantesca fraude. A democracia brasileira foi minada muito antes da eleição pelo golpe parlamentar e pelo impedimento judicial da candidatura de Lula e de seu encarceramento.

O seguimento de Bolsonaro ainda está longe de ser um movimento fascista organizado que possa resistir à classe trabalhadora e aos pobres rurais, a menos que os últimos permaneçam passivos ou paralisados ​​por suas lideranças reformistas. Obviamente, os grupos fascistas existentes e os bandidos armados dos patrões e proprietários de terra podem fornecer os quadros para tal movimento, mas a pequena burguesia mimada se acovardará diante de uma determinada resistência proletária.

Nem, seja qual for o apetite reacionário de seus comandantes, as forças armadas foram ganhas para assumir a responsabilidade não apenas por suas dificuldades econômicas, mas também pela existência de um enorme movimento operário. Tudo depende de a classe trabalhadora mobilizar suas forças e mostrar sua determinação de não perder seus direitos ou seus ganhos sociais sem uma amarga luta. Tal determinação provavelmente fragmentará as forças burguesas e fará com que algumas delas pensem duas vezes.

Então, o que pode ser feito nas semanas antes da segunda rodada em 28 de outubro? Antes do primeiro turno, nossos camaradas no Brasil já haviam explicado:

“Nós, da Liga Socialista, argumentamos que os partidos de esquerda precisam construir uma frente única para enfrentar o golpe e a direita reacionária e também derrotar a combinação de bonapartismo e fascismo militar, cujo líder é Bolsonaro. (…) Precisamos organizar a resistência da classe trabalhadora criando comitês em locais de trabalho, escolas, bairros, não apenas para votar, mas também para a luta contínua por nossos direitos e liberdades democráticas. ”

O movimento operário mundial deve ajudar ativamente nossos irmãos e irmãs no Brasil. O milhão e meio de membros do PT, suas organizações aliadas e dezenas de milhões de eleitores constituem a maior força de nossa classe na América Latina e uma das mais fortes do mundo. Uma derrota histórica para eles lançaria o equilíbrio global de forças ainda mais para a direita. Encorajaria as forças de reação em outros países a atos semelhantes, assim como a derrota no Chile em 1973. Os movimentos trabalhistas na Europa e na América do Norte, na África e na Ásia, devem prestar toda a assistência possível aos trabalhadores brasileiros e fazer tudo o que pudermos para impedir que nossos governos apoiem ​​Bolsonaro.

 

 

Traduzido em 19/10/18 por Liga Socialista

 

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com