Autodeterminação e a guerra em Nagorno-Karabakh

26/11/2020 08:32

Marcel Rajecky Fri, 20/11/2020 - 21:04

 

A guerra em Nagorno Karabakh pode estar chegando ao fim depois que a Armênia, que se mobilizou em defesa do Estado etnicamente armênio, e o Azerbaijão assinaram um acordo em 9 de novembro. Os combates começaram no final de setembro e levaram a milhares de civis e militares mortos, o deslocamento de cerca de 90.000 pessoas e constantemente ameaçou se transformar em uma guerra de potências regionais e até imperialistas.

Embora o acordo pretenda resolver definitivamente essa disputa de décadas, é mais provável que abra a porta inteiramente para uma nova fase da guerra. O movimento de autodeterminação de Karabakh certamente não desaparecerá com este acordo, nem tampouco as potências regionais e imperialistas concorrentes e voláteis com interesses nesta região frágil.

Além disso, as crises que o capitalismo enfrenta na Armênia e no Azerbaijão não irão desaparecer. Embora os protestos dos armênios contra a rendição de sua classe dominante possam facilmente se transformar em protestos gerais contra o governo, um despertar semelhante da classe trabalhadora no Azerbaijão é igualmente provável, pois eles percebem que a conquista de Karabakh não pode fornecer-lhes empregos, salários justos ou serviços públicos decentes.

Guerra Reacionária e Paz Repressiva

Em 27 de setembro, as forças do Azerbaijão invadiram a República de Artsakh, o estado de guerra separatista formado principalmente no território da antiga República de Nagorno Karabakh em uma guerra entre 1988 e 1994. Baku justificou sua invasão alegando que estava libertando as áreas comumente conhecidas como os 'sete distritos', os territórios anteriormente de maioria azeri que não faziam parte da antiga República de Nagorno Karabakh, mas foram capturados naquela guerra. Baku afirmou que isso permitiria o reassentamento de centenas de milhares de azeris deslocados.

Na realidade, porém, a invasão se concentrou quase inteiramente nas áreas do ex-Nagorno Karabakh que nunca tiveram maiorias azeri e expressaram repetidamente seu desejo de independência desde que foram cedidas ao Azerbaijão por Stalin.

Stepanakert, a capital de Artsakh, foi bombardeada quase continuamente, levando à evacuação de seus 50.000 habitantes. Enquanto isso, as forças azeris lançaram sua invasão, bombardeando e eventualmente capturando as principais cidades no sul e extremo norte do território, usando drones fornecidos por Israel, munições cluster e execuções transmitidas pela televisão enquanto avançavam.

Depois que o Azerbaijão conquistou a cidade de Shushi, a segunda cidade de Artsakh, que fica estrategicamente nas colinas a apenas nove quilômetros da capital, a Armênia teve pouca opção a não ser se render. Em troca da promessa do Azerbaijão de não capturar Stepanakert, a Armênia concordou em permitir um corredor de transporte em seu território para conectar o Azerbaijão ao enclave de Nakhchivan. O Azerbaijão não apenas manterá os sete distritos, cujos habitantes armênios foram informados para não terem expectativa de retorno, mas terá permissão para manter todos os territórios em Nagorno Karabakh que capturou, incluindo as cidades armênias de Shushi, Hadrut e Talish.

Interesses imperialistas

O acordo de paz final foi intermediado pela Rússia e representa em grande parte o resultado desejado por Moscou, equilibrando cuidadosamente seus interesses em ambos os lados do conflito. Por um lado, ajudou a Armênia a vencer a guerra anterior e, desde então, o país se tornou crucial para Moscou, econômica e militarmente. A Rússia controla toda ou parte das telecomunicações, bancos, energia, gás, produção de metal e ferrovias da Armênia; também opera uma base militar no país.

Enquanto isso, o Azerbaijão tornou-se um 'parceiro' igualmente importante desde o fim da guerra. Ajudou a Rússia durante as guerras da Chechênia, e os dois países têm amplo comércio e cooperação militar. A Rússia, portanto, estava ansiosa para encerrar a guerra o mais rápido possível. Suas obrigações de tratado com a Armênia não se estendiam a Karabakh, e ela permaneceu de lado durante a invasão do Azerbaijão com a clara condição de que a campanha não cruzasse a fronteira com a Armênia.

Suas relações com os dois países não só permitiram à Rússia facilitar as negociações, mas também promover seus próprios interesses. As 2.000 tropas russas estacionadas em Nagorno Karabakh são ostensivamente 'mantenedoras da paz', mas seu papel real será policiar a resistência ao Azerbaijão entre os armênios restantes e fornecer vantagem contra a Turquia e os EUA nesta região crítica.

A Turquia assumiu uma posição muito diferente, pedindo ativamente a vitória do Azerbaijão e apoiando-a com armas e vários milhares de combatentes por meio de seus representantes na Síria. A exigência de manter 'forças de paz' ​​próprias em Karabakh, entretanto, foi vetada pela Rússia. Enquanto os Estados Unidos deixaram um vácuo para a Turquia e a Rússia durante a guerra, o envio de tropas russas ameaça mudar completamente a posição. Washington tem amplos interesses no Azerbaijão, especificamente em um corredor comercial, de fibra óptica e do espaço aéreo militar que passa um pouco além do território onde as tropas russas serão estacionadas. Embora a luta entre a Armênia e o Azerbaijão esteja resolvida por agora, a possibilidade de a região se tornar o palco de futuros confrontos interimperialistas permanece.

O que vem a seguir para Karabakh?

Para além das manobras das potências regionais e imperialistas, a luta pela autodeterminação do povo de Nagorno Karabakh sofreu uma grande derrota. Poucos armênios de Karabakh ou dos sete distritos voltarão para suas casas e muitos se tornaram refugiados na Armênia e além. Enquanto isso, as fronteiras da República de Artsakh foram reduzidas a uma fração das do antigo Nagorno Karabakh e o território recém-ocupado deve ser integrado ao Azerbaijão.

O movimento de massa que tomou conta de Karabakh no século 20 permaneceu em grande parte adormecido desde que atingiu seu objetivo de independência de fato. É altamente provável, no entanto, que esse movimento ressurja em oposição às tropas russas e ao estado do Azerbaijão.

Isso provavelmente começará com mobilizações pela rejeição do acordo, uma demanda que os socialistas apoiariam. Paralelamente, os socialistas devem apoiar o direito de Artsakh à autodeterminação, embora reconheçam o direito de retorno dos azeris deslocados em conflitos anteriores.
Nenhuma das guerras no Cáucaso 'resolveu' qualquer uma das complexas questões nacionais da região. Elas simplesmente reforçaram o domínio das classes capitalistas sobre as minorias nacionais, enquanto supervisionavam o empobrecimento contínuo da região em nome do lucro.

Para quebrar este ciclo, os socialistas devem lutar pela construção de partidos operários que, defendendo os direitos democráticos das nacionalidades da região, se comprometam com o programa da revolução permanente em que a classe operária, ao tomar o poder para si, desenvolverá as forças produtivas da região pela apropriação social e planejamento democrático.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/self-determination-and-war-nagorno-karabakh)

Tradução: Liga Socialista em 26/11/2020

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com