Áustria: Enfrentando uma nova versão do Black and Blue?

29/09/2019 20:00

Arbeiterinnenstandpunkt, Vienna, September, 2019 Sat, 28/09/2019 - 18:51

Em maio deste ano, o "projeto Black and Blue", assim nomeado pelas cores do partido conservador austríaco ÖVP e do racista-populista "Freedom Party" FPÖ, que tinha menos de um ano e meio de idade, mas já estava acabado. Depois que o vice-chanceler Strache teve que renunciar por causa do Caso Ibiza, o ÖVP se recusou a continuar no governo com o Ministro do Interior Kickl e o governo entrou em colapso porque o FPÖ insistiu em mantê-lo. Poucos dias depois, o Chanceler Kurz foi derrubado por um voto de confiança da SPÖ, FPÖ e da NOW List. Desde então, o país é governado por um gabinete não eleito de "especialistas".

Durante sua breve existência, no entanto, o governo Black-Blue conseguiu realizar ataques substanciais à grande maioria da população. Isso começou com a introdução de taxa escolar para estudantes que não concluíram seus cursos com rapidez suficiente, um bônus de imposto para famílias de alta renda e ataques aos direitos dos requerentes de asilo. Logo depois, provavelmente ocorreu a maior e mais importante "reforma" do Black-Blue. O dia de 12 horas foi apressado pelo parlamento. Pela primeira vez, o governo mostrou abertamente que não apenas atacaria uma ou outra parte oprimida da sociedade, mas também atacaria toda a classe trabalhadora. Juntamente com as vozes do NEOS, a "Reforma do número máximo de horas diárias de trabalho" foi adotada no início do verão de 2018. Embora o ÖGB tenha mobilizado uma poderosa demonstração com mais de 100.000 participantes em um curto período de tempo, a oposição dos líderes do ÖGB se baseou principalmente no fato de que eles não haviam sido convidados para negociações como no passado. Apesar do potencial e do dinamismo inegáveis, nenhuma outra ação foi tomada. O papel traiçoeiro da liderança sindical, orientada para a parceria social, foi demonstrada mais uma vez.

Com o dia de 12 horas, os ataques Black-Blue não terminaram. Mesmo antes do final de 2018, foi decidida uma reforma do sistema de seguridade social, que, além de fundir os fundos de seguros, também mudou significativamente o peso nos órgãos de decisão para os empregadores. O último grande projeto foi a reforma do sistema de apoio à renda mínima, que não trouxe grandes economias, mas, com seu foco racista, tornou o acesso mais difícil para pessoas sem cidadania austríaca, especialmente para famílias com muitos filhos. Agindo claramente no interesse do capital, juntamente com esses ataques, sempre foi tomado o cuidado de apresentar refugiados e muçulmanos como inimigos populares, a fim de preservar uma base popular para si. Isso ainda funciona muito bem hoje.

Mesmo assim, para se preparar para os prováveis ​​ataques do próximo governo, é importante olhar não apenas para os ataques realizados, mas também para os que não foram, por causa da queda do governo. No topo desta lista está a reforma dos benefícios de desemprego e assistência de emergência. No programa do governo, o objetivo declarado era fundi-los em um "novo subsídio de desemprego". Acima de tudo, o tempo de referência praticamente ilimitado da assistência de emergência deveria ser abolido, o que levaria a um modelo como o alemão Hartz IV. Isso significaria que, após o término do período de subsídio de desemprego, que se basearia em contribuições anteriores, os bens pessoais teriam que ser usados ​​até um nível especificado antes que o benefício mínimo pudesse ser obtido.

Este projeto também foi o que causou mais desentendimentos entre o FPÖ e o ÖVP e provavelmente estava programado para o outono/inverno 2019/20. Podemos assumir com segurança que ele será encontrado em um novo programa do governo Black-Blue. Os sindicatos devem se preparar agora para este ataque e desenvolver estratégias para não serem completamente surpreendidos novamente, como na reforma do dia de 12 horas. Também houve outros ataques que não puderam ser realizados, como a introdução de taxas, uma lei de arrendamento benéfica ao proprietário ou a retirada das finanças da Câmara do Labour.

Todos caçam Kurz

O que o caso de Ibiza mostrou claramente é que os partidos estabelecidos, incluindo aqueles como o FPÖ, que gostam de fingir ser o "partido do homem pequeno", não são muito mais do que roupas corruptas para prosseguir com a política no interesse dos ricos e poderosos. O ÖVP foi mal visto pelos casos de doações em torno da bilionária Heidi Horten, que Strache chamou de doador do FPÖ no vídeo de Ibiza. Depois que as listas de doações do ÖVP foram apresentadas em vários meios de comunicação, o ÖVP publicou seus doadores de 2018 e 2019. Heidi Horten, invicta, que transferiu 49.000 euros (dos quais 50.000 euros teriam que ser relatados) para o ÖVP todos os meses desde a aquisição pela Kurz. No total, isso totalizou quase 1 milhão de euros. Outros capitalistas, como Pierer ou Ortner, também doaram várias centenas de milhares de euros.

Apesar de todas essas condições aparentemente vantajosas, o SPÖ até agora achou difícil ganhar terreno na campanha eleitoral às custas do chanceler Kurz. Por um lado, claramente tenta denunciar a política dos ricos de Kurz e companhia, mas, ao mesmo tempo, acha difícil defender os interesses dos trabalhadores de uma maneira realmente radical e agressiva. Isso não surpreende, já que não deseja bloquear seu caminho para um governo como parceiro júnior do ÖVP. O FPÖ, por outro lado, está atualmente próximo de uma divisão. Nos bastidores, há disputas ferozmente declaradas entre a ala mais radical em torno da fraternidade nacional alemã e o ex-ministro do Interior Kickl, por um lado, e a ala mais moderada em torno do líder do partido Hofer, que está totalmente orientado para a continuação do governo com o ÖV, por outro. Strache também está atualmente tentando trabalhar em seu retorno e, portanto, está claramente em um curso de confronto com Hofer.

Os Verdes são provavelmente a parte que poderá obter mais ganhos. No entanto, isso não é primariamente uma conquista deles, mas principalmente devido à questão ambiental internacional. Com as “sextas-feiras para o futuro”, há um forte movimento ambiental há vários meses, dominado pelos Verdes em muitos países e, é claro, o partido austríaco se beneficiou disso, como já foi demonstrado nas eleições da UE. Nesse movimento, no entanto, os Verdes desempenham acima de tudo o papel de uma alternativa "realista" para as outras partes, que abordam a proteção ambiental apenas como uma questão secundária.

O movimento dos trabalhadores e as eleições

À esquerda dos social-democratas e dos verdes, "Change" e o Partido Comunista (desta vez como "listas alternativas, KPÖ PLUS, Linke e Unabhängige") estarão em toda a Áustria. Ambos tentam se apresentar como uma alternativa a um programa de reformas mais ou menos ambicioso nessas eleições. Não oferecendo mais do que o reformismo de esquerda sem nenhuma base significativa na classe trabalhadora, é uma questão de trazer o programa da social-democracia clássica para o século XXI. Falta uma clara ruptura com o capitalismo e um ponto de vista proletário de classe em ambos.

O SPÖ, que ainda é a força dominante nos sindicatos e nas partes organizadas da classe trabalhadora, traz pouco mais que um programa distenso de romper com a coalizão de Black-Blue para essas eleições. Seu programa nem inclui a revogação de todas as contrarreformas dos últimos dois anos. Oficialmente, é claro, eles esperam se tornar, mais uma vez, a força mais forte, mas, à luz dos resultados da pesquisa, o papel do parceiro júnior de Sebastian Kurz é provavelmente mais realista, principalmente para expulsar o FPÖ do governo. No entanto, muitos trabalhadores progressistas, desempregados e jovens votarão no SPÖ como o mal menor e como uma força contra uma nova edição do Black-Blue.

Portanto, não basta apenas apontar as deficiências dos governos anteriores do SPÖ: para a política de austeridade após a crise econômica, na qual Faymann transferiu os custos do resgate bancário para os trabalhadores; para política racista de fronteira após a "crise dos refugiados"; e à orientação de parceria social dos líderes sindicais dominados pelos social-democratas. O SPÖ é um partido operário burguês justamente por causa dessa política, estruturas e liderança profundamente burguesas, mas, ao mesmo tempo, por causa de seus estreitos laços com os sindicatos e o movimento operário. Seu domínio paralisador e reformista continua sendo o maior obstáculo à política revolucionária no movimento operário, que busca uma ruptura consistente com os capitalistas. Portanto, todos os esquerdistas honestos e com consciência de classe devem encontrar maneiras de separar o movimento dos trabalhadores do reformismo.

Curiosamente, o papel da Juventude Socialista no partido foi reforçado nos últimos meses, com sua líder, Julia Herr, concorrendo ao 7º lugar na lista federal. Como socialista autoproclamada, devemos exigir dela a rejeição consistente de todas as políticas contra os interesses da classe trabalhadora, mulheres, migrantes e jovens, e apoio à mobilização da esquerda e do movimento operário. Do SPÖ como um todo, exigimos a rejeição de qualquer coalizão com os partidos burgueses e, em vez disso, uma orientação para a resistência extra-parlamentar contra os ataques vindouros de Kurz e companhia. Especialmente às forças de esquerda dentro da social-democracia, que compartilham tal abordagem, oferecemos nossa cooperação prática. Para fortalecer a luta por essas preocupações, pediremos apoio crítico para o SPÖ em 29 de setembro. Ao mesmo tempo, devemos deixar claro que a verdadeira luta só começará após as eleições e, portanto, a discussão sobre a resistência prática contra os ataques planejados precisa começar agora no movimento dos trabalhadores.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional - https://fifthinternational.org/content/austria-facing-new-version-black-and-blue

Tradução: Liga Socialista em 29/setembro/2019

 

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com