Alemanha: 1º de Maio, balanço

14/05/2020 19:23

Martin Suchanek, GAM Infomail 1102, 5 May 2020 Wed, 13/05/2020 - 15:17

 

Antes de tudo, a parte positiva do equilíbrio político: apesar da proibição nacional de manifestações, apesar das restrições às manifestações para 20 a 50 pessoas, dependendo do estado federal, milhares de pessoas participaram da ala esquerda, oposições sindicais, ações de luta de classes, anti-racistas, anti-militaristas e anticapitalistas no 1º de Maio.

Em cidades como Stuttgart e Munique, as alianças de esquerda foram capazes de efetivamente aplicar manifestações com 500 a 600 participantes; em Berlim, 3.000 pessoas participaram da demonstração revolucionária de primeiro de maio à noite. Em Leipzig, várias centenas também se reuniram.

Além dessas ações maiores, ocorreram numerosos atos menores, com foco em questões sociais (trabalho, moradia), solidariedade com os refugiados, impacto da dupla crise de perigo de corona e recessão nas mulheres, jovens, pessoas marginalizadas e na luta da classe trabalhadora em vários setores. As críticas ao capitalismo, ao governo federal e o isolamento nacional foram um tema central de muitas dessas manifestações menores.

Os grupos Workers’ Power e REVOLUTION participaram de várias dessas ações, em algumas cidades também como co-organizadores. Discursos do nosso movimento são transmitidos nas páginas do Facebook de Workers'Power e REVOLUTION e podem ser acessados ​​lá.

Sindicatos

Os líderes do DGB estavam desaparecidos no dia primeiro de maio. Além de pseudo-ações embaraçosas, como um comício de 10 altos funcionários no Portão de Brandemburgo, em Berlim, sua atividade foi limitada a um evento virtual de várias horas. As manifestações dos sindicatos do DGB, todas as mobilizações de empresas e sindicatos já haviam sido canceladas semanas atrás.

Na Web, os líderes sindicais reformistas celebraram e cantaram a Canção das Canções dos Parceiros Sociais. "Estamos lutando para garantir que a desigualdade no país não continue a crescer", anunciou o líder da DGB Reiner Hoffmann, que imediatamente deixou claro como ele imagina que isso acontecerá: "A ação rápida e decisiva do governo federal foi a correta, também apoiamos os pacotes de resgate para a economia. Mas agora é importante garantir emprego a longo prazo e evitar a perda de conquistas sociais".

Na boa tradição da colaboração de classes, a burocracia atua como suplicante. Depois que a capital ("a economia") recebe bilhões de dólares em presentes, os trabalhadores também devem ser ajudados. Afinal, Hoffmann pensa que algo deve ser descartado na "parceria" para todas as classes. Então a "coesão" na sociedade e especialmente na empresa funcionará, então todos poderão trabalhar juntos por ações mais altas no mercado mundial, e a parceria social funcionará como um relógio.

É estúpido que a classe capitalista possa apenas aumentar seus lucros às custas dos "parceiros", que só possa sobreviver em competição se a lucratividade e a taxa de exploração estiverem corretas. A burguesia, sua mídia e porta-vozes políticos alertam logicamente que não se pode prometer muito ao povo. Afinal, nem todos podem ser salvos, nem ao lado da cama nem como meio de vida. Somente quando o capital está indo bem, ou seja, quando os lucros estão subindo, todos podem prosperar em algum momento.

As associações de empregadores minimizam sistematicamente os perigos contínuos da pandemia, sua disseminação internacional e a probabilidade de uma segunda onda. Os regulamentos de higiene que devem ser observados ao reabrir lojas, empresas, escolas e administrações geralmente existem apenas no papel. Afinal, o lucro vem primeiro.

Se deixarmos de lado o fato de que a saúde e o bem-estar das massas nunca estiveram na agenda do capitalismo, deve-se perceber a alguns líderes sindicais que a atual crise está minando o espaço de manobra dos parceiros sociais, o que sempre foi calculado para uma minoria da classe. A Grande Coalizão, a ideologia da unidade nacional, de aproximar-se das forças de classe opostas é apenas o lubrificante com o qual os assalariados devem ser ensaboados, enquanto os ataques históricos à classe trabalhadora estão sendo preparados.

Os acordos (sem) gastos salariais negociados pela burocracia sem qualquer discussão sindical interna não significam apenas traição aos interesses dos assalariados. A renúncia antecipada e não combatente por aumentos salariais, a "suspensão" das rodadas de negociação coletiva, como no transporte público local, não apenas ajuda o capital economicamente - mas também permite obter lucro.

A passividade encoraja a direita

A passividade política e as esperanças fatalistas dos parceiros sociais e do governo, infelizmente, também incentivam forças reacionárias pequeno-burguesas, populistas de direita ou mesmo fascistas a agir como oposição pseudo-radical.

Se centenas de milhares de sindicalistas tivessem saído às ruas no dia primeiro de maio - e isso seria possível mesmo que a distância de segurança necessária fosse mantida - os assalariados teriam moldado a imagem pública em várias cidades. As "manifestações de higiene" da direita na Luxemburgplatz de Berlim ou a marcha pequeno-burguesa reacionária "Querdenken 711" em Stuttgart teriam permanecido fenômenos marginais desagradáveis.

O refluxo dessas manifestações também representa um julgamento esmagador para as lideranças dos sindicatos, do SPD e do Partido de Esquerda. Os social-democratas, incluindo sua dupla ostensivamente esquerdista de liderança, se apresentam como os seguidores mais leais de Merkel. Os ministros do SPD podem apresentar algumas pequenas concessões, como o aumento da remuneração por trabalho de curta duração - e, de outra forma, citar o curso da CDU. As lideranças sindicais e uma grande parte da liderança do Partido de Esquerda acompanham isso principalmente de forma não crítica.

Ao mesmo tempo, porém, a crise também está impulsionando grande parte do capital médio e pequeno, que teme pela existência, de pequenos burgueses de todos os tipos, de classes médias dependentes de salários e até de partes da aristocracia operária ou trabalhadores desmoralizados, para protestos fraudulentos populistas de direita.

Crítica reacionária

O medo das "pessoas" do enfrentamento entre as classes se confunde com teorias da conspiração, meias-verdades (isto é, "meias" mentiras), irracionalismo. Tudo isso é decorado com demandas por "democracia", "liberdade", "autodeterminação" - todas elas aparentemente valores inocentes da sociedade burguesa.

A lamentação deles leva a problemas e queixas reais - polarização social, empobrecimento, apoio dos ricos, ... -. No entanto, as causas desses problemas e queixas não são compreendidas, mas estão ligadas a uma visão pequeno-burguesa reacionária do mundo. O verdadeiro perigo da pandemia é sistematicamente, pseudo-cientificamente e conspirado -teoricamente relativizado e até negado - bastante semelhante à loucura lunática dos chamados "céticos do clima" e sua hostilidade em relação à ciência.

Por trás dessa mistura, é claro, os sólidos interesses comerciais da pequena burguesia também estão avançando. No Stuttgart Wasen, os direitos fundamentais são invocados e a restrição do direito de demonstrar é denunciada. Ao mesmo tempo, no entanto, a liberdade de comércio, a compra e a venda de bens parecem ser a maior liberdade de todas. Quem a violar, arruína o comércio de "trabalho duro". O direito de servir cerveja se torna uma questão de "liberdade".

Inconscientemente, mas de maneira ainda mais infalível, o produtor de bens reconhece que a compra e a venda de bens representam o conteúdo real de sua liberdade, seu mais alto direito humano - e, assim, inconscientemente, atinge o cerne de um relacionamento real, na medida em que compra e vende. Na verdade, os bens representam uma condição básica da produção capitalista e a sociedade burguesa se eleva acima dela.

E como a pequena burguesia, como todas as classes médias e estratos, corre o risco de ser empurrada ainda mais contra a parede e "desclassificada" pela competição e pela reestruturação do processo de produção, será levada às barricadas. De uma maneira demagógica e habilidosa, aparentemente também está se voltando contra os grandes negócios e contra as figuras individuais de ódio do establishment, como Bill Gates ou "benfeitores" como Angela Merkel. As consequências e queixas necessárias do capitalismo são tão finamente separadas de um mundo supostamente intacto de economia de mercado "pura" e "honesta", onde não há crises e paralisações.

Pequena burguesia

Os assalariados que se enquadram nessas mobilizações não são atraídos apenas por uma mistura grosseira de questões sociais, meias-verdades e explicações reacionárias. Os pequenos empresários também praticam a solidariedade com os trabalhadores, apelando a eles como proprietários de mercadorias e declarando um interesse comum. Eles argumentam assim: "Se não pudermos continuar administrando nossas fábricas por causa das restrições irresponsáveis ​​da Corona, você perderá o emprego. Mas, como ambos queremos 'trabalhar' - eu como empreendedor, você como meu empregado - e como você não consegue encontrar um emprego sem mim, e como eu naturalmente gostaria de mantê-lo empregado, devemos demonstrar juntos, formar uma frente popular contra o governo e a elite.

Esta ideologia reacionária, que só pode ser obtida ao preço da subordinação política dos trabalhadores à pequena burguesia, é encorajada pela passividade dos sindicatos. Mas não só isso. A política dos parceiros sociais, de cooperação de classes, disseminada e implementada há décadas, também facilita o jogo da demagogia populista e pequeno-burguesa de direita. Depois que a burocracia sindical e a social-democracia (e, finalmente, também o Partido de Esquerda) pregaram repetidamente o equilíbrio e, portanto, também a cooperação entre as classes, depois que os conselhos de trabalhadores e os líderes sindicais ficaram intimamente ligados às "suas" grandes empresas, naturalmente surge a pergunta sobre o que há de errado com uma aliança com os pequenos empresários "rebeldes", com os "cidadãos raivosos", quando estão em jogo a "democracia" e os "direitos humanos".

Por trás das figuras bastante coincidentes do "Lateral Thinking 711", como o empresário de TI Michael Ballweg ou a pequena-burguesa "Democratic Resistance", a direita organizada AfD, NPD ou o Movimento Identitário se juntam abertamente nas mobilizações. Figuras aleatórias como Ballweg ou os iniciadores originais das mobilizações "Higiene" são rapidamente deixados de lado por eles, como já se podia observar semana após semana em Berlim. A dinâmica reacionária, violenta e o perigo também são evidentes no ataque a uma equipe de câmeras da ZDF às margens da manifestação de direita em 2 de maio em Berlim. A polícia está atualmente desconcertada sobre se o ataque foi realizado por "extremistas" de direita ou esquerda. De qualquer forma, é indiscutível que essa ação teve um caráter objetivamente reacionário e, seja realizada por direitistas "reais" ou por idiotas completamente estúpidos, só pode beneficiar forças irracionalistas, populistas e fascistas.

Mas há outro perigo nessas manifestações. Representantes das associações de empregadores atendem a pedidos de "direitos fundamentais", "democracia" e "liberdade", a fim de mobilizar-se contra as restrições de produção, comércio e serviços. A liberdade do lucro vem em primeiro lugar - e os capitalistas se colocam no estilo Trump como os verdadeiros representantes do povo. Por trás da fachada democrática, portanto, há uma mistura de interesses reacionários, capitalistas e pequeno-burgueses, que deixam sua marca nas ações.

O quão estreitamente esses "protestos populares" estão orientados para os interesses predominantes do capital é mostrado ao mesmo tempo pela forma como a manifestação de Stuttgart, em particular, foi tratada em comparação com as ações de esquerda nas condições de Corona. Em Frankfurt / Main, dezenas de manifestantes foram presos em 1º de maio por supostamente violar condições. A manifestação revolucionária de Berlim, em primeiro de maio, só pôde ser realizada contra a presença maciça da polícia e as políticas repressivas do Senado - e apenas temporariamente. Os policiais espancaram os manifestantes, entre outros, um assistente de câmera da ZDF ficou ferido. No Stuttgarter Wasen, 4.000-5.000 pessoas foram autorizadas a ouvir manifestações reacionárias pequeno-burguesas sem perturbações enquanto bebiam cerveja e desfrutavam da atmosfera popular do festival.

A luta de classes e a esquerda radical

Os sindicatos da DGB foram um fracasso total. Greves como a da Voith em Sonthofen mostram que é possível lutar, mesmo em tempos de corona, para evitar quebras de greve ou tentativa de remoção de máquinas. Com sua passividade, a sede do sindicato, vergonhosamente, também decepcionou esses colegas.

Alguns escritórios administrativos militantes e federações sindicais de esquerda, como o "Vereinigung kämpferischer GewerkschafterInnen" (VKG), ativistas do ver.di no setor da saúde ou o Grupo de Trabalho de Internacionalismo do IG Metall Berlin, salvaram a honra do movimento em 1º de maio. Juntamente com essas forças, a esquerda radical, luta de classes, anticapitalista, anti-racista e internacionalista desempenhou um papel muito positivo desta vez.

Devido às inúmeras ações, embora muitas vezes menores, é difícil estimar o número total de participantes. Mas em todo o país havia mais de 10.000, também claramente mais do que a direita poderia mobilizar. Assim, dezenas de manifestações de esquerda ocorreram em cidades como Berlim em 1º de maio, incluindo uma das VKG na Alexanderplatz ou uma muito impressionante em frente à Clínica Vivantes em Urbanhafen. As inúmeras ações em toda a República Federal da Alemanha deixaram claro que grande parte da esquerda "radical" politicamente heterogênea está unida pela necessidade de se tornar ativo na situação atual. Em 1º de maio, o foco não estava apenas na saúde e na crise econômica, mas também em muitas facetas da situação atual. Racismo, deportações e uma mudança para a direita, a situação dos jovens e especialmente de crianças em idade escolar, antimilitarismo e anti-sexismo, bem como a necessidade de lutar contra as mudanças climáticas, eram componentes temáticos recorrentes.

Certamente, o corte dos direitos democráticos, o crescente autoritarismo e o enfraquecimento do direito de realizar manifestações também foram fortemente criticados. Mas as manifestações de esquerda associaram isso a objetivos progressistas, aos interesses dos assalariados e dos oprimidos, a movimentos como as greves das mulheres dos últimos anos, sextas-feiras para o futuro e o movimento pela justiça climática - e muitas vezes também com uma crítica ao capitalismo como um sistema explorador e a necessidade de lutar por uma ordem social socialista. Em resumo, eles eram qualitativamente diferentes das marchas reacionárias; na verdade, eles representavam seus colegas.

Os 10 mil ou mais ativistas visíveis nesses atos públicos e manifestações representam um importante potencial anticapitalista da luta de classes. Tem um significado político importante no próximo período na luta contra os efeitos da crise. É importante tomar consciência dessas possibilidades, tarefas e responsabilidade política.

Em vista da crise histórica do capitalismo que está ocorrendo atualmente, há também uma ameaça de ataques históricos à classe trabalhadora que só podem ser afastados por meio de ações de massa - ocupações, greves e até greves gerais políticas. Os ativistas que estavam nas ruas no dia 1º de maio expressaram essa necessidade mais ou menos conscientemente. Eles também sinalizaram que estão prontos para lutar, apesar da repressão e restrições.

Use o potencial - construa o movimento anti-crise!

Essas são boas condições para novas ações. Por outro lado, devemos ter em mente que, embora essa camada possa recair sobre um número muito maior de simpatizantes, no geral ela representa uma minoria, embora considerável, na classe.

Pode demonstrar seu potencial nos próximos meses, se tomar e continuar a iniciativa política que começou a mostrar no dia primeiro de maio. Para isso, os manifestantes e seus simpatizantes devem se tornar uma força organizada, o núcleo de um movimento. Para fazer isso, eles devem estar unidos no terreno em alianças anti-crise e na construção da rede de sindicalistas militantes.

Precisamos de tais estruturas para construir um movimento de massas contra os efeitos da crise local, regional, nacional e internacionalmente - um movimento que se mobiliza, defende os direitos democráticos e constrói estruturas básicas no bairro e no trabalho, na universidade ou na escola. A minoria militante que estava nas ruas no dia 1º de maio poderia ser um iniciador de tal movimento e, ao mesmo tempo, formar uma força que força as organizações de massa da classe, os sindicatos, os partidos reformistas a agir ou pedindo a ação conjunta atrai cada vez mais membros dessas organizações para o movimento.

O combate à construção de um movimento anti-crise, de alianças anti-crise, é atualmente uma tarefa para toda a esquerda. Deve ser combatida ou o potencial do primeiro de maio corre o risco de ser desperdiçado.

Ao mesmo tempo, o caráter agudo da crise requer uma discussão além das alianças. Isso levanta a questão de um programa político revolucionário da classe trabalhadora que vincula a luta contra a pandemia com a crise do capitalismo. A tarefa dos revolucionários é entender a construção de um movimento contra a crise e a construção de um partido revolucionário não como opostos, mas como objetivos interdependentes e frutíferos. Vamos ao que interessa!

 

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/germany-may-day-first-balance-sheet)

Traduzido por Liga Socialista em 14 de maio de 2020

 

 

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com