África do Sul: 155.000 metalúrgicos da NUMSA em greve por tempo indeterminado

20/10/2021 20:28

Jeremy Dewar Fri, 15/10/2021 - 16:46

 

Uma greve em massa interrompeu a produção de aço na África do Sul desde 5 de outubro. Devido a técnicas de produção “just in time”, que minimizam os níveis de estoque e dependem de um fluxo constante de insumos, a greve já atingiu algumas linhas de montagem da BMW e impediu a conclusão de 700 carros. Mais danos à importante indústria automobilística do país (no valor de 5% do PIB) seguirão, sem dúvida.

A violência prejudicou a luta desde o primeiro dia, quando um motorista irado deliberadamente jogou seu carro em um grupo de grevistas a caminho de uma linha de piquete perto de Joanesburgo, matando um deles e ferindo uma dúzia de outros. Mas são os policiais que foram responsáveis pela maioria dos ferimentos, disparando balas de borracha contra os trabalhadores, mesmo quando eles se afastavam da ação.

O Sindicato Nacional dos Metalúrgicos da África do Sul (NUMSA) está exigindo um aumento salarial de 8% este ano e inflação mais 2% nos próximos dois anos. Isso segue um acordo para renunciar a qualquer aumento em 2020, devido às condições pandêmicas. A inflação está subindo e atualmente a taxa é de 4,9%, enquanto o Banco de Reserva da África do Sul está elevando sua taxa de juros em três quartos de ponto para 4,25%. Assim, a oferta inicial dos empregadores de 4,4% foi, na verdade, outro corte real de salário.

Apesar de sua importância estratégica para a economia e a natureza árdua de seus empregos, os trabalhadores do aço e das indústrias relacionadas podem ganhar apenas 1 libra por hora. Esse fato acentuado forçou a federação patronal, SEIFSA (Federação de Aço e Engenharia Industrial da África do Sul), que representa 1.000 empresas, a aumentar sua oferta para 6% este ano e a inflação mais 0,5% em 2022 e 2023 – mas apenas para as categorias de menor remuneração. Os trabalhadores da NUMSA rejeitaram essa tática de divisão da categoria, embora o preocupante secretário-geral Irvin Jim tenha indicado que ele se contentaria com 6% se aplicado a todos os trabalhadores.

Compromisso ou escalada?

A greve por tempo indeterminado está equilibrada em um momento decisivo. As negociações com a SEIFSA estão em andamento, mas as federações patronais menores se recusaram a ceder às suas posições originais. Jim está claramente preparado para fechar em 6%, o que mesmo que fosse estendido a todos os trabalhadores representaria pouco mais do que um compromisso podre.

Por outro lado, não há sinal de enfraquecimento da determinação dos grevistas. Comícios em massa e piquetes militantes de grevistas de camisa vermelha continuam a enfrentar intimidações e balas da polícia.

Os trabalhadores sabem que o aumento da produtividade significa que os chefes podem pagar mais. Como disse um grevista: "As empresas em que estamos trabalhando estão atualizando suas máquinas. Quando eles vão atualizar o nosso salário? Para a maioria dos metalúrgicos é o principal ganha-pão de suas famílias, com um em cada três trabalhadores e mais da metade dos jovens desempregados, eles não podem se dar ao luxo de fazer concessões.

De fato, longe de perder força, a greve está crescendo, já que 16.000 membros do Sindicato dos Metalúrgicos e Elétricos (MEWUSA) aderiram às linhas de piquete na segunda semana. Ao mesmo tempo, Zwelinzima Vavi, líder da Federação Sul-Africana de Sindicatos, SAFTU, emitiu um aviso de 14 dias para uma greve geral de dois dias em solidariedade aos engenheiros e metalúrgicos. Os membros da SAFTU não devem esperar a quinzena para iniciar uma ação solidária, mas realizar saídas ou apresentar suas próprias reivindicações para generalizar as greves.

Também é claro que a COSATU (Congresso dos Sindicatos Sul-africanos - maior central sindical da África do Sul, com 1,9 milhões de trabalhadores na base), principal federação sindical e membro da coalizão com o ANC (Congresso Nacional Africano - principal partido político da África do Sul) no governo, não está imune à pressão de baixo para a ação de greve. No dia em que a NUMSA iniciou sua greve, a COSATU chamou às pressas uma paralisação nacional de dois dias, que foi particularmente eficaz contra o congelamento dos salários que atingiu o setor público.

O ativista da cidade, Trevor Ngwane, comentou: "Dar aos trabalhadores um prazo para paralisações e greves reflete mal na liderança da COSATU. A base e os militantes devem forçar seus líderes a se vincularem à SAFTU e ao NUMSA e maximizar a pressão sobre o ANC e sua liderança.

A classe trabalhadora sul-africana provou ser, ao longo de uma década de luta, uma das mais militantes do mundo e sua vanguarda foi reforçada por uma série de lutas épicas. No entanto, permanece politicamente fraca. A COSATU ainda está ligada ao governo de frente popular do neoliberal ANC; o Economic Freedom Fighters permanece distante das lutas sindicais, a menos que sejam convocadas por eles mesmos; e o Partido Socialista Revolucionário dos Trabalhadores, de Vavi e Jim, foi efetivamente natimorto.

O que une todas essas tendências políticas é o stalinismo, cujo programa se limita a completar a "etapa democrática", sinalizando uma disposição para se comprometer com o capital e atenuando o viés anticapitalista de todas as lutas. A divisão sectária ajuda a manter esses falsos líderes no topo de suas organizações, mas desperdiça o poder da classe trabalhadora como um todo. Um primeiro passo para quebrar esse impasse seria expandir a greve do NUMSA em um ataque total ao sistema capitalista, que falhou em garantir a liberdade 27 anos após a queda do apartheid.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (South Africa: 155,000 NUMSA steelworkers on indefinite strike | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista

 

 

 

 

Brasil

Esta seção está vazia.

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com