África do Sul: sindicatos debatem formação de novo partido

25/11/2014 20:23

Jeremy Dewar Fri, 07/11/2014 - 12:07

 

O gigantesco Sindicato dos Metalúrgicos - NUMSA - tem feito campanha para o movimento sindical para romper com o Congresso Nacional Africano (ANC), no poder, e formar um novo partido da classe trabalhadora. Agora, a Federação Sindical Cosatu está ameaçando a sua expulsão. Jeremy Dewar relata.

À medida que vamos para a imprensa, o movimento operário Sul-Africano enfrenta uma crise histórica. A Cosatu, uma forte federação sindical de 2,2 milhões de trabalhadores, que desempenhou um papel decisivo na redução do apartheid, está à beira de expulsar sua maior organização afiliada, a União Nacional dos Metalúrgicos da África do Sul (NUMSA).

Superficialmente, a disputa é a respeito da NUMSA organizar fora do ramo de engenharia e manufatura. Mas como NUMSA apontou, "praticamente todas as afiliadas Cosatu em alguma fábrica, indústria ou nível setorial, organizam em todos os setores e, portanto, desviam-se para áreas de outros afiliados", mas isto "nunca foi a base para a admissão ou motivo de exclusão na Cosatu".

Na verdade, todos na África do Sul entendem que esta é uma disputa política. A expulsão da NUMSA é motivada por sua campanha para quebrar a aliança da Cosatu com o Congresso Nacional Africano (ANC) e o Partido Comunista Sul-Africano (SACP).

Novo partido

Em um congresso especial realizado em dezembro de 2013, 1.200 delegados, representando 338 mil filiados da NUMSA fez esta convocação à Cosatu e votou por unanimidade para estabelecer "uma nova frente unida, que irá coordenar as lutas no local de trabalho e nas comunidades de um modo semelhante ao UDF (a legal frente estabelecida pelo ANC, embora tenha sido banida) da década de 1980. A tarefa da frente será a de lutar pela implementação da "Carta da Liberdade", programa da era do apartheid do ANC, e lutar contra o neoliberalismo.

A resolução continua: "Lado a lado com a criação da nova Frente Unida, resolvemos que a NUMSA irá explorar a criação de um Movimento para o Socialismo, porque a classe trabalhadora precisa de uma organização política comprometida em suas políticas e ações com o estabelecimento de uma África do Sul socialista".

Em suma, a NUMSA iniciou um processo para a formação de um partido socialista de massas com base nos sindicatos, organizando uma Conferência para o Socialismo no próximo mês.

Isso não vem muito cedo. No ano passado vimos duas enormes greves de massas. A primeira foi a greve mais longa da história do país, uma greve de cinco meses de longa batalha, que parou minas de platina estrategicamente importantes da África do Sul, conquistando um significativo aumento salarial. Esta viu muitos mineiros abandonarem o forte Sindicato Nacional dos Mineiros (NUM), de 300 mil membros, visto como corrupto e muito próximo dos patrões e do governo do ANC, para a nova Associação separatista dos Mineiros e Sindicato da Construção (AMCU), que agora reivindica 50.000 membros.

A própria NUMSA liderou a segunda greve no setor de manufatura, envolvendo 220 mil membros. Novamente foi sobre o salário e durou cinco semanas, conseguindo uma vitória parcial. Evidentemente, os trabalhadores estão se recuperando do choque da crise financeira e do massacre de Marikana, e estão em marcha mais uma vez.

Quando a mídia denunciou a greve como "política", Moisés Mayekiso, que liderou o sindicato na década de 1980, respondeu que, dentre outras coisas, as greves devem ser mais políticas, e incentivou a fundação de um novo partido dos trabalhadores.

Juntamente com greves de massa, as lutas da comunidade nos municípios permanecem flutuantes como sempre. Além de ostentar um dos movimentos sindicais mais organizados e com mais militantes na África, a África do Sul também tem movimentos sociais heróicos, contra a privatização e extorsão exigida pelo programa neoliberal do governo do ANC. "Luta por Serviços de Água e Esgoto" e "luta por Energia Elétrica" reconectam regularmente as famílias cujos serviços públicos foram cortados por empresas privadas.

A mais recente campanha é contra "pedágios" cobrados aos motoristas pelas empresas que mantêm auto-estradas privatizadas. Uma campanha em massa de desobediência civil e não-pagamento, apoiado tanto pelo Cosatu quanto pela NUMSA, tem tocado a imaginação do público.

São esses dois lados da classe trabalhadora da África do Sul - os disciplinados trabalhadores organizados em empregos mais permanentes -, e os militantes do distrito - moradores que sobrevivem à margem da sociedade - que precisam de um partido para uni-los politicamente.

Combatentes da Liberdade econômica

Outro desenvolvimento é o surgimento dos Combatentes da Liberdade Econômica (FEP), que ganharam 6,35% e mais de um milhão de votos na eleição geral de maio 2014. Isto deu-lhe 25 deputados, liderados por Julius Malema, ex-líder expulso da Liga da Juventude do ANC.

Malema adotou a iconografia dos Panteras Negras dos EUA, auto-intitulando-se da ideologia "marxista-leninista", boinas de estilo militar e se instalou como "comandante-chefe". O manifesto do EFF pede a nacionalização da terra sem compensação, e das minas, indústria e bancos. Estas são questões candentes; por exemplo, apenas 7% das terras dos agricultores brancos foi redistribuído desde 1994.

Em uma leitura mais atenta, no entanto, o FEP só exige 60% das minas a serem nacionalizadas, a maioria da indústria será deixada nas mãos de particulares e por um banco estatal para estar ao lado dos bancos privados. Este modelo de "economia mista", na prática, tende sempre a descarregar os efeitos das crises periódicas do capitalismo sobre a classe trabalhadora.

Malema também é acusado de assediar jornalistas, lavagem de dinheiro, evasão fiscal e aceitar subornos de propostas estaduais na província de Limpopo. Ele admira abertamente Robert Mugabe, do Zimbábue, deixando de lado as críticas ao seu regime pelo assassinato de sindicalistas e simpatizantes do Movimento pela Mudança Democrática.

A classe trabalhadora da África do Sul não precisa de "heróis" populistas como este, mas a liderança coletiva e responsável. Muitos membros do FEP são, sem dúvida, sinceros em sua oposição ao capitalismo corrupto do ANC. Eles precisam ser conquistados para uma frente unida de luta contra ele, o que vai colocar Malema e sua comitiva à prova.

Recorde do ANC

Por 20 anos, o ANC presidiu uma cada vez mais desigual África do Sul. "Black Empowerment" não aumentou a participação da maioria da população negra na enorme riqueza natural do país. Essa participação aumentou apenas da elite ANC.

O exemplo mais grosseiro disso é Cyril Ramaphosa, que chegou à fama como líder do NUM e desde então se tornou um membro do conselho de administração da mineradora Lonmin. Sua riqueza está calculada atualmente em US $ 700 milhões, de acordo com a lista dos mais ricos da Forbes.

De fato, o vice-presidente do ANC, Ramaphosa, veio para simbolizar tudo o que é corrupto e podre a respeito do ANC. O massacre Marikana em agosto de 2012, em que a polícia matou a tiros 34 mineiros em greve na mina de platina Lonmin, foi um ponto de viragem. O envolvimento do próprio Ramaphosa em que ficou claro a partir de suas palavras em um e-mail enviado para Lonmin na véspera das filmagens e que vazou:

"Os terríveis acontecimentos que se desdobraram não pode ser descrito como uma disputa trabalhista. Eles são claramente covardes e criminosos e devem ser caracterizados como tal. Na linha desta caracterização é necessário que haja ação concomitante para resolver esta situação".

Vinte e quatro horas depois, 34 mineiros estavam mortos. O sangue está nas mãos de Ramaphosa e do ANC.

Onde vais?

A liderança da Cosatu, quase certamente, irá expulsar NUMSA este mês. Ela pode até expulsar seu secretário-geral Zwelinzima Vavi, outro crítico líder do ANC. O gatilho para as expulsões parece ser a coleção da NUMSA e de signatários suficientes de outras afiliadas à Cosatu para convocar um Congresso Especial, para discutir e votar sobre a aliança com o ANC. Então, o que deve a NUMSA fazer?

Como resolução de sua Executiva Nacional, em resposta à ameaça de expulsão, diz, "a crise na Cosatu, hoje, é de fato sobre a existência ou não da Cosatu, deve continuar a ser uma federação sindical socialista ou deve simplesmente se tornar uma amarela federação capitalista dos trabalhadores, ou seja, um mesa de trabalho da burguesia".

Os trabalhadores não devem dividir o seu movimento, mas a culpa de tudo isso reside justamente na liderança da Cosatu. Longe de recuar, a NUMSA deve prosseguir com a sua agenda do Movimento pelo Socialismo, chamando uma conferência antes do final do ano.

Há muitas perguntas ainda não respondidas:

• Que tipo de partido que os trabalhadores sul-africanos precisam - aquele em que os líderes têm todo o poder, ou que exige a plena responsabilidade e sem corrupção?

• Qual deve ser o foco da sua atividade - eleições, ou as lutas nos locais de trabalho e cidades?

• O que deve ser seu objetivo - uma África do Sul democrática, ou um Estado operário que pode derrubar o capitalismo?

• E, finalmente, que programa deve adotar? - um baseado em vencer as eleições, ou aquele no qual se estabelece a meta da revolução, a conquista do poder através de conselhos de trabalhadores? Aquele que aceita a camisa de força do Estado capitalista, ou um baseado na destruição e substituição desse estado com a classe trabalhadora armada? Em suma: reforma ou revolução?

Estes são tempos excitantes na África do Sul. NUMSA - auxiliada por todos os socialistas revolucionários na África do Sul e internacionalmente - deve manter o caminho que ele estabeleceu bravamente.

 

 

 

 

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com