A revolta libanesa

20/11/2019 23:05

Dave Stockton, Red Flag 32, November 2019 Sat, 16/11/2019 - 12:56

O Líbano, como Iraque, Sudão e Argélia, está experimentando sua própria versão da Primavera Árabe com manifestações em massa, ocupações e bloqueios de ruas. O movimento rapidamente se espalhou de Beirute para Trípoli no norte e Tiro no sul, envolvendo pessoas das diferentes confissões religiosas do país.

Mas, ao contrário da "Primavera" no Egito, Tunísia e Síria no início da década, o Líbano não é um levante contra um ditador brutal, mas contra um governo corrupto e grotescamente ineficiente com base em partidos e elites confessionais que saqueiam sistematicamente os recursos do país.

Uma série de falhas abjetas do governo em atender às necessidades básicas permitiu que o chamado "imposto do WhatsApp" se tornasse a faísca que acendeu o fogo. Os apagões e cortes regulares no fornecimento de água exacerbam a miséria de um país em que o desemprego é de 25%, subindo para 40% entre os menores de 25 anos.

Nas semanas imediatamente anteriores à insurreição, incêndios florestais generalizados revelaram que os bombeiros não tinham o equipamento básico para lidar com eles, e até helicópteros doados ao país para esse fim estavam fora de serviço por falta de manutenção.

Demorou pouco para os jovens culparem o sistema político - baseado em uma precária constelação de partidos cristãos, sunitas e xiitas, dividindo os espólios dos cargos e alimentando nepotismo e corrupção obscenos.

Nizar Hassan, um ativista do LiHaqqi ("pelos meus direitos"), um grupo que organiza as manifestações, disse que as pessoas finalmente chegaram a ver que era o sistema como um todo - e não partidos ou atores específicos - que era o verdadeiro problema.

Mas não será tão fácil deixar de lado os partidos e suas milícias poderosas. Sob o Acordo Taif de 1989, que encerrou a sangrenta guerra civil do Líbano, o presidente deve ser um cristão maronita, o primeiro ministro um muçulmano sunita e o presidente do Parlamento um muçulmano xiita. Os assentos parlamentares também são alocados de acordo com uma cota. Após as eleições parlamentares em maio de 2018, meses de discussões terminaram em um governo de coalizão representando os principais partidos maronitas, sunitas e xiitas.

O líder da organização xiita Hezbollah, Hassan Nasrallah, apoiou demagogicamente as queixas econômicas do movimento, opondo-se à renúncia de Hariri e acusando 'forças externas' (leia Israel e os EUA) de tentar sequestrar os protestos para enfraquecer o Hezbollah. Em 29 de outubro, os apoiadores do Hezbollah e do partido Amal atacaram manifestantes e jornalistas e incendiaram acampamentos em Beirute.

Apesar da renúncia de Hariri, ninguém mais deixou o governo. As elites de todos os partidos e organizações confessionais lutarão com unhas e dentes para preservar o sistema existente.

Para superar a intransigência das elites políticas, o movimento precisa se organizar para impedir que o sistema continue até que os protestos se esgotem ou se dividam ao longo de linhas sectárias. O primeiro passo é a eleição de comitês de delegados intercomunitários para coordenar os protestos e estendê-los aos locais de trabalho, para preparar o terreno para uma greve geral total e por tempo indeterminado. Devem ser feitos apelos às fileiras dos soldados e milícias para romper com seus comandantes e se colocar a serviço das milícias populares sob controle democrático.

O objetivo central do movimento deve ser a abolição do sistema confessional que zomba da democracia. Concretamente, isso significa a convocação de uma assembleia constituinte soberana, eleita com base em uma pessoa-um-voto, sem ponderação religiosa. Esta assembleia deve debater por si mesma a futura base constitucional do Líbano - igualdade entre minorias religiosas, regime social e econômico - capitalista ou socialista. A verdadeira soberania significa livre de interferências estrangeiras; isso requer liberdade de imprensa garantida pelos sindicatos dos jornalistas e independência de intervenção militar garantida pelas milícias dos trabalhadores.

Convocar essa assembleia exige uma luta da classe trabalhadora não apenas contra o sistema confessional, mas também contra a exploração capitalista e a expansão da revolução libanesa a todos os outros países da região, incluindo a Palestina. Seu objetivo final deve ser o dos Estados Unidos Socialistas do Oriente Médio.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/lebanese-uprising)

Traduzido por Liga Socialista em 20 de novembro de 2019

 

Contato

Liga Socialista Entre em contato conosco através do nosso e-mail. liga.socialista@yahoo.com